Nova placa de vídeo custará entre 30 e 40 dólares e é voltada para usuários domésticos que buscam bons gráficos para tarefas simples.

 A Nvidia anunciou o lançamento de sua nova placa de vídeo de baixo custo, a GT 710, que possui arquitetura baseada na linha Kepler. O preço de lançamento do periférico varia entre 30 e 40 dólares.

 Segundo notas oficiais, o objetivo da empresa é ganhar o mercado de gráficos integrados com um modelo voltado diretamente aos usuários domésticos, que buscam bons gráficos para realizar tarefas simples, como por exemplo, assistir um filme em alta resolução ou até mesmo executar jogos que exijam pouco desempenho gráfico com fluidez.

As primeiras imagens divulgadas pela Nvidia sobre o seu novo chip gráfico demonstra a simplicidade do modelo. Tanto é que o modelo da linha GT 710 da ASUS possui sistema de refrigeração passiva, ou seja, apenas um dissipador de calor sem o uso de FANs. Já o modelo apresentado pela EVGA possui um sistema de refrigeração igualmente simples, porém, com um pequeno cooler.

A Nividia garante, que apesar da GPU não ser voltada ao público gamer entusiasta, a GT 710 garante desempenho 80% superior aos atuais chips gráficos integrados do mercado e é sim uma ótima opção para quem procura custo-benefício.

Vale lembrar que a placa de vídeo terá suporte ao conjunto de API Microsoft DirectX 12, que promete extrair ao máximo todo o potencial do chip gráfico. Dessa forma, deverá existir uma alta de quadros por segundo e quedas de frames reduzidas.

Em resumo, a GT 710 nativa da Nvidia terá clock de 954 MHz, suporte Direct X 12, tecnologia Kepler, 192 CUDA, suporte a três monitores e 3D Vision. Além disso, o cliente poderá optar entre o modelo de 1GB e 2GB de memória DDR3, que deve custar 30 e 40 dólares respectivamente.

Infelizmente ainda não se tem informações sobre a data de lançamento e preço em território nacional. Ainda assim, essa placa promete ser uma excelente alternativa para quem deseja deixar os gráficos integrados investindo pouco. 

Por Wendel George Peripato


No início do ano a NVIDIA surpreendeu o mercado com o lançamento da tecnologia Maxwell, que substituiu a tradicional Kepler, utilizada por anos.

Desde o lançamento da tecnologia Maxwell (no lugar das tradicionais Kepler), no início do ano, a NVIDIA não anunciava alguma novidade no mercado de placas de vídeo.

Com prováveis (e incríveis!) 3.200 núcleos gráficos, que são utilizados para acelerar o processamento das imagens, rumores nos indicam que a GeForce GTX 980 seja lançada no próximo evento da empresa, a ser realizado ainda em setembro.

A não produção da família 800 pode ser explicada graças ao lançamento de novos chips para notebook, baseados na nova tecnologia estrutural, a Maxwell. A ausência da família daria-se graças ao fato da empresa estar buscando uma alternativa aos nomes, destacando a qualidade superior da Maxwell. Como a série 800 nunca chegou a possuir nenhum produto para computadores, chips equivalentes com nomes distintos poderiam acabar confundindo o consumidor. Deste modo, "pular" uma família de produtos seria a forma mais viável de padronizar as versões para Notebook e PC.

Sobre a tecnologia Maxwell:

Introduzida no mercado de games no início deste ano, a tecnologia Maxwell conta com uma GPU de design mais estreito, além de não ser necessária a utilização de conectores de alimentações internos.  Isso permite que os jogadores aumentem as resoluções para até 1080p sem sobrecarregar os componentes, o que exigiria uma descarga maior de energia elétrica e, consequentemente, o superaquecimento. Além disso, como a refrigeração necessária é bem menor, o componente é extremamente silencioso, sendo ideal para Home Teather PCs (HTPCs).

Outras vantagens da Maxwell são as possibilidades tecnológicas que elas proporcionaram. Tais placas contam com recursos como:

– ShadowPlay: permite com que os jogadores gravem seus movimentos e compartilhem diretamente em sites de jogos;

– G-SYNC: tecnologia de exibição de imagem que proporciona continuidade e um visual mais transparente;

– GameStream: maximização da performance quando em trânsito.

Por  Rodrigo Alves de Oliveira

NVidia Geforce

Foto: Divulgação


A Gradiente e a NVidia fizeram uma parceria para anunciar um tablet de 7 polegadas com o objetivo de ser o mais rápido entre os modelos deste tamanho. Para isso, o Tegra Note TB 750, como foi batizado o dispositivo, conta com o mais novo e potente chip da NVidia de dispositivos móveis, o Tegra 4.

O aparelho será lançado no Brasil no mês de novembro, contudo a pré-venda já começa no dia 25 de outubro deste ano no Game Show, evento que acontecerá em São Paulo, no mesmo dia da pré-venda. O valor do Tegra Note TB 750 será de R$ 1 mil.

Tegra Note TB 750

Foto: Divulgação

O diferencial do modelo, com certeza é o processador Tegra de quatro núcleos ARM Cortex-A15 e GPU GeForce com 72 núcleos. Na teoria, o chip proporciona um ótimo desempenho, sobretudo para rodar jogos pesados, até o momento não foi informada qual seria a memória RAM do aparelho.

O Tegra Note TB 750 virá com Android 100% puro e tecnologia LCD IPS. A capacidade de armazenamento será de 16 GB, podendo ser expandida para até 32 GB usando cartão microSD.

Segundo o diretor da NVidia no Brasil, o modelo será o mais veloz do mundo na sua categoria e com navegação 50% mais rápida que o principal concorrente.

Por Robson Quirino de Moraes


Jen-Hsun Huang, CEO da NVIDIA, anunciou recentemente em uma apresentação sobre os resultados fiscais da empresa, que tablets com o processador Quad-Core Tegra 4 estão em processo de desenvolvimento e que devem ser lançados em breve.

Dentre os conhecidos, podemos citar os que já confirmaram que utilizaram o novo processador da empresa, como o tablet HP SlateBook, o HP Slate 21 AIO, um “super smartphone” da ZTE e o Toshiba AT10LE-A. Porém, ainda não está definida nenhuma data de lançamento, exceto pelo portátil da Toshiba que deve ser o primeiro a ser apresentado.

O potente processador da NVIDIA Tegra 4 foi revelado na CES 2013 e conta com 4 núcleos de CPU Cortex-A15 de 1.9 Ghz. Além disso, ainda conta com um quinto núcleo destinado a tarefas de baixo desempenho visando à economia de bateria. Ainda conta com 72 GPUs personalizados, para um melhor processamento gráfico em displays de LED de 3200×2000 pixels e Ultra HD via saída HDMI.

O uso de um potente processador como esse em dispositivos móveis como tablets e futuramente smartphones, é sem dúvidas um grande avanço para fabricantes e desenvolvedores que terão uma liberdade maior para criar aplicações de alto desempenho.

Por Henrique Nicolau


Rob Csonger, vice-presidente da NVIDIA, divulgou em uma conferência da empresa a chegada de um tablet produzido pela própria companhia, que recebeu o nome de Kai.

O aparelho possui processador quad-core e custará apenas US$ 199, o que equivale a mais ou menos R$ 400. O vice-presidente disse que o preço baixo é apenas uma estratégia da NVIDIA para poder popularizar seu chipset e criar um novo aparelho que seja capaz de concorrer com o Kindle Fire, da Amazon.

Ainda não se sabe se o Kai será “apenas mais um” tablet para os consumidores ou se ele servirá de referência para as outras empresas. De forma oficial, só foi divulgado pela fabricante que existem algumas empresas que estão usando o tablet como modelo para criar outros dispositivos com o processador Tegra 3.

O Kai conta com memória DDR3L, peças para que haja um menor consumo de energia e tecnologia que não exige tanto do hardware e do display.

A NVIDIA não descarta a possibilidade de lançar um tablet mais potente com sua marca, mas o objetivo atual da fabricante é fazer com que os dispositivos com processadores quad-core e sistema operacional Android 4.0 sejam desenvolvidos e cheguem ao mercado com baixos custos.

Por Guilherme Marcon


O CEO da NVIDIA, Jen-Hsun Huang, anunciou recentemente o lançamento da nova GeForce GTX 690, que deverá chegar ao mercado norte-americano ainda esta semana, porém inicialmente de forma limitada, pois só posteriormente é que a empresa irá garantir uma maior disponibilidade da nova placa de vídeo para todas as lojas.

Segundo Huang, a GeForce GTX 690 foi projetada a partir do zero para poder proporcionar o melhor desempenho visto até hoje. A placa é revestida de alumínio na parte externa e na parte da frente possui janelas de policarbonato. O chip possui fonte de alimentação de dez fases e contém 3.072 núcleos CUDA. Além disso, a placa ainda conta com dois chips rodando em paralelo, deixando a sua potência muito maior. Quando a placa está funcionando com toda sua força, ela se comporta como uma Quad-SLI, ou seja, ela passa a trabalhar com quatro núcleos juntos e, dessa forma, ela faz com que seu computador aguente qualquer tipo de jogo.

A GTX 690 chega ao mercado norte-americano com preço de US$ 999, mais ou menos R$ 1.885.

Ainda não foi divulgada nenhuma data oficial para o lançamento da placa no Brasil, mas a empresa não tem costume de demorar muito para levar seus produtos para todos os países do mundo.

Por Guilherme Marcon


Normalmente algumas pessoas demonstram um certo desprezo pelos netbooks. Dizem que eles não têm muita eficiência, reclamam da dificuldade de leitura durante a navegação na internet, etc.

O fato é que a funcionalidade dele é relativa, ou seja, tudo depende do objetivo de quem deseja utilizá-lo.

Geralmente a configuração para esses modelos é composta de processador de 1,6GHz com 1 GB de memória RAM, utilizando um chipset Intel 945 e o sistema operacional Windows XP. Percebe-se que não são itens que o tornam uma máquina fantástica, mas fazem dele o suficiente dependendo da finalidade para a qual ele será utilizado.

Rodar games para PC, criar vídeos de 1080p linhas ou editar imagens são funções ainda não disponíveis para os netbooks.

Em um futuro muito próximo podemos contar com melhorias nesse aspecto, já que há rumores de que a AMD vai criar um chip móvel, o processador NEO, e a NVIDIA deve lançar sua plataforma de placas gráficas íon. Essas duas novidades virão para acelerar de forma significativa o desempenho desses compactos computadores portáteis.

Quanto à resolução e tamanho da tela já existem modelos maiores com 8 polegadas e 800 pixels de resolução, diferentes do Asus Eee PC, o primeiro netbook lançado que tinha 7 polegadas.

Em sua maioria os netbooks possuem configuração de 1024 por 600 pixels, que é o suficiente para que a maioria dos softwares funcione bem, porém existem softwares que pedem uma configuração diferenciada e por isso é necessário, no momento da escolha do modelo, levar em consideração que tipo de aplicativo se pretende executar e ver se o mesmo possui suporte para isso.


A feira Computex em Taipei, Taiwan está apresentando muitas novidades na área de informática. A nVidia, por exemplo, anunciou um PC ideal para assistir filmes e rodar jogos em 3D sem a necessidade de adquirir o hardware separadamente. Mesmo assim, os lançamentos nessa área continuam e a empresa exibiu a placa de vídeo para filmes em 3D mais barata do mercado, GT 465.

Capaz de codificar filmes gravados em Blu-ray 3D, a placa é otimizada para tirar melhor proveito também de jogos, principalmente para aqueles que utilizam o Directx 11, da Microsoft. E tudo isso, ao custo de menos de 280 dólares.

Só é preciso observar que assim como as TVs, a placa requer um kit 3D completo, com monitor e óculos para usufruir dos efeitos tridimensionais.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Olhar Digital


Gordon Moore foi um dos fundadores da Intel, a maior fabricantes de processadores do mundo. Além disso, ele foi responsável por criar a Lei de Moore. Essa lei diz respeito à performance dos processadores e da miniaturização do transístores, que deveriam dobrar num período de 18 meses.

Dos aos 80, quando foi elaborada, até hoje, a Lei de Moore seguiu ditando as regras na indústria de processadores. Mas para o vice-presidente de pesquisas da nVidia, a Lei de Moore está morta e enterrada.

Tanto é verdade que a Intel é a prova disso. Hoje, a empresa fundada por Moore, constrói processadores baseados em vários núcleos que trabalham em paralelo, como é o caso dos Dual Core, Quad Core e Core i7. O processo de miniaturização, enfim, parece ter encontrado seu limite.

E para que os computadores do futuro não se tornem aberrações cheias de núcleos e mais núcleos, será preciso encontrar novos modelos de industrialização para o mercado de microchips.

Indagado a respeito, um executivo da Intel respondeu na Europa que o número de pessoas que decretam a morte da Lei de Moore dobra a cada 18 meses.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Adrenaline


O notebook ASUS N61JV da Asus é uma máquina supercompleta e promete deixar qualquer fanático por computadores de queixo caído. Além de vir com o kit tradicional de conexões (bluetooth, ethernet, wi-fi), ele ainda traz um modem 3G interno, e é uma das primeiras máquinas a virem com as novas portas USB 3.0 (na verdade, é uma 3.0 e duas 2.0) que permitem transferência de dados muito mais rápidas.

Processador Intel Core i5, disco rígido de 500GB, leitor de cartões, webcam com 2MP, drive de blu-ray com gravador de DVDs, memória RAM de 4GB DDR3, saída HDMI e VGA, e teclado número são outros itens que complementam o N61JV. O sistema operacional é o Windows 7 HP de 64 bits.

Talvez você tenha notado que não mencionei nem a tela, nem a placa de vídeo. Deixei o melhor por último:

A Tecnologia Optimus

Então vamos lá: a tela tem 16 polegadas e o sistema vem com duas placas de vídeo da nVidia, sendo uma compartilhada a GMA 4500MHD, e a outra a GeForce GT325M, dedicada, com memória de 1 GB.

O motivo para a ASUS ter escolhido utilizar suas placas de vídeo é a economia de bateria. Assim, através da tecnologia OPTIMUS, o sistema alterna entre as duas placas, ativando a que for mais adequada. Enquanto o usuário executa tarefas comuns como navegar na internet a placa usada é a compartilhada, muito mais econômica. Na hora de rodar vídeos ou jogar quando é necessário melhor desempenho, o sistema passa a utilizar a placa dedicada.

Algo parecido pode ser visto nos novos Apple Macbook Pro.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Tech Guru





CONTINUE NAVEGANDO: