Confira algumas dicas para fazer a bateria do notebook durar mais.

Você estava trabalhando em uma atividade importante e de repente o seu notebook desligou, e você está sem a fonte para recarregá-lo imediatamente? Essa situação inconveniente é comum, pois as baterias desses dispositivos não costumam durar tanto quanto as suas marcas prometem e acabam desligando-o nos momentos em que mais precisamos dele.

Para fugir desse problema, você pode adotar algumas medidas simples e práticas que ajudam o aparelho a trabalhar por mais tempo, impedindo que você tenha que interromper as suas tarefas.

Confira abaixo dicas de como fazer a bateria do seu notebook durar mais tempo e não te deixar na mão:

1. Reduza a resolução

Assim como acontece com os celulares, quanto mais alta estiver a resolução da tela do notebook, mais pixels ela será obrigada a processar por vez, o que implica em um gasto maior de carga. Se você está apenas digitando um arquivo de texto, a resolução Full HD não é necessária nesse caso, pois não faz muita diferença.

Portanto, para fazer a bateria durar mais alguns minutos, você pode diminuir a resolução da tela. Para tal, basta clicar com o botão direito na Área de Trabalho, optar pela alternativa ‘’Configurações de exibição’’, em seguida escolha o botão ‘’Configurações de vídeo avançadas’’ e, por fim, é só reduzir a resolução de acordo com a sua necessidade.

2. Diminua o brilho da tela

Apesar de parecer algo muito simples, diminuir o brilho da tela costuma funcionar bem para conservar a bateria do computador por mais tempo, pois essa função gasta muita energia do aparelho. O ideal é manter a iluminação da tela somente em um nível que te possibilite enxergar aquilo que está fazendo. A redução do brilho pode ser feita através da tecla específica do dispositivo, clique sobre ela e vá diminuindo até onde quiser.

3. Desligue a tela quando não estiver usando o notebook

Sem perceber, muitas pessoas acabam deixando a tela do computador ligada o tempo todo, mesmo quando não estão usando-o. Essa ação consome muita energia e faz com que a bateria acabe rapidinho. Sendo assim, é aconselhável desligar a tela quando não estiver usando o dispositivo.

Para configurar a tela para desligar quando não está em uso, você deve apertar o botão direito do mouse na Área de Trabalho, selecione ‘’Configurações de exibição’’, vá em ‘’Energia e suspensão’’, depois determine em quanto tempo a tela tem que ser desligada quando não estiver sendo usada.

4. Abaixe o som

Além da tela, o volume do som também influencia no gasto da bateria do notebook. Se você está executando uma atividade da qual não precisa ouvir nada, procure abaixar o volume ou até mesmo desligar para poupar a carga da bateria. Clique no ícone de som na Barra de Tarefas e deligue o volume ou diminua-o. Caso haja a necessidade de ouvir algo, recomenda-se usar fone de ouvido, visto que consome menos energia.

5. Dê preferência para aplicativos mais simples

Os softwares pesados exigem mais carga do notebook, consequentemente consomem a sua bateria em menor tempo, pois forçam o uso do hardware do dispositivo. Quando precisar economizar energia, o mais apropriado é usar aplicativos mais leves. Uma boa ideia quando estiver digitando é trocar o Microsoft Word pelo Bloco de Notas.

6. Desative os recursos de conectividade

Os recursos para conectar o notebook à internet ou a outros aparelhos como, por exemplo, Bluetooth e Wi-Fi gastam muita bateria. Por isso, se você quer economizá-la, uma dica funcional é desativar essas funções quando estiver trabalhando no computador sem utilizá-las. É acessar o ícone de cada recurso, disponível na Barra de Tarefas e optar por desativá-los.

Por Simone Leal

Bateria de notebook


Confira aqui algumas dicas de como preservar a bateria do seu notebook.

Mesmo que por pura curiosidade, todo mundo já deve ter colocado ao menos uma vez baterias e pilhas no freezer de casa para eventualmente “ressuscitar” as mesmas com o resfriamento. Apesar de ser um processo curioso e de muitos adeptos e divulgadores a coisa não é por aí…Até mesmo por um simples “não custa tentar” é bom não fazer nada disso. Entre diversos outros fatores, as condições e a umidade dentro do freezer podem acabar causando mais danos a bateria no lugar de supostamente renová-la.

Então nada de achar que os fabricantes de baterias fazem conspiração. Até agora ainda não contamos com nenhuma tecnologia que consiga produzir uma fonte de energia que seja inesgotável e que possamos usá-la em notebooks, tablets e smartphones.

Antes de tentar esses métodos que prometem verdadeiros milagres na bateria, uma boa ideia é sempre usá-la com bom senso, fazer os ajustes quando for preciso e claro, quando chegar o momento trocá-la.

De qualquer forma existem várias coisas que podem ser feitas para que o desempenho da bateria seja otimizado (e não estamos falando do freezer!).

Uma das primeiras coisas que o usuário pode fazer é reduzir o brilho do monitor de seu aparelho. Quanto mais brilhante a tela for mais desperdício da bateria haverá.

A lista de vilões vai bem além da tela. Dispositivos USB que estejam conectados e que ficam lá sem uso também contribuem para um uso “prejudicial” da bateria.

Softwares que não estão configurados corretamente e execução de diversos programas ao mesmo tempo não são coisas ideais de se fazer.

Um bom exemplo nesse ponto é o celular que está conectado ao notebook ou a impressora e que não estão sendo usados. Eles ficam sugando a energia da bateria, contrariando a falsa ideia de que se não estão em atividade não consomem nada. Na hora de economia da energia é bom ficar atento a todos os periféricos que estejam conectados a sua máquina para evitar o desperdício.

Outro ponto que entra na lista de dicas de economia é sempre desligar o Wi-Fi e o Bluetooth de seu notebook toda vez que não estiver usando os mesmos.

Por final, para fazer a recarga não saia pegando qualquer carregador que você encontrar por aí e nem deixe a energia do computador acabar por completo. O ideal é que a bateria seja recarregada quando estiver entre 20% e 30%.

No caso de a bateria não durar mais de 30 minutos, pode ser sinal de que já está na hora de fazer a troca. E lembre-se de sempre buscar por alternativas originais para seu aparelho.

Por Denisson Soares


As baterias de um notebook são envolvidas constantemente por ideias mitológicas. Pergunta-se com frequência se é melhor ou não retirar a bateria ao conectar o notebook na tomada. Outro questionamento é se existe algum risco na compra de bateria pirata e também se há a possibilidade da extensão da durabilidade da bateria do notebook.

– É correto afirmar que é necessário retirar o carregador da tomada no momento que a bateria do notebook estiver com a carga completa?

Não. Caso uma pessoa tenha uma tomada disponível e não haja necessidade de mover o notebook, o melhor é permanecer o notebook ligado na tomada. A bateria tem um tempo de uso que tem limitação através do número de cargas. Desta forma, usa-la de forma desnecessária causará um desgaste sem utilidade que irá acarretar na diminuição do seu tempo de uso.

– É preciso retirar a bateria se desejarmos utilizar o computador conectado diretamente na tomada?

Não. Recentemente, as baterias de íons de lítio não têm o efeito memória. Esta característica era constante nas baterias anteriores de níquel cádmio, que necessitavam de uma descarga total antecipada para o começo de serem recarregadas novamente. 

Existe também o fato de que, se a bateria permanecer no computador, você poderá prevenir a perda de seu trabalho se a energia cair.

– Manter o notebook conectado em tempo total diminui o tempo de uso da bateria?

Caso o computador esteja o tempo todo ligado na tomado, não é necessário. O tempo de uso da bateria é determinada pela quantidade de vezes que ela chega no nível de 100% de carga. Caso o computador se mantenha o tempo todo conectado na tomada, ao considerar a ausência da modificação do nível de carga da bateria, não terá nenhum desgaste para a bateria.

A bateria pode ser danificada se deixar se o seu tempo for zerado. Caso você mantiver a bateria descarregada armazenada por muito tempo, sua carga mínima de utilização poderá se perder, tornando a bateria sem uso.

Por Felipe Couto de Oliveira

Foto: divulgação


A Toshiba anunciou que o mercado terá um novo chip de memória cachê para tablets, computadores e smartphones. Esse novo chip chega com a função de economizar a bateria dos dispositivos que eles estiverem inseridos. O segredo e uma nova forma de guarda a memória temporária. De acordo com a fabricante japonesa, esse novo chip pode gastar até 60% a menos da CPU.

Tudo isso por causa do seu princípio de funcionamento. O chip anterior possuía o cachê L2 que usa a gravação de informação volátil e o mesmo processo que permite o computador perder as informações de depois de desligado. Agora, com a nova tecnologia da Toshiba  os dados vão ficar guardados de acordo com o spin dos elétrons. É considerado assim um método mais eficiente e não vai perder nada quando o aparelho for desconectado.

O sistema operacional usa a memória cachê para guardar as informações. Mas precisa acessar com  frequência durante o seu funcionamento. É uma forma de criar um atalho interno. Não será mais preciso ir ao armazenamento todas as vezes que precisar buscar as informações. O novo chip promete informações mais rápidas, algo em torno de 4,1 nanossegundos para ler e 2,1 nanossegundos para gravar os dados. O melhor é que fará tudo isso sem gastar muita energia.

Quanto a estar disponível no mercado, a Toshiba diz que o próximo passo é investir em ideias para adaptação da tecnologia também para os chips de memória RAM. Isso fará com que as futuras gerações de computadores, tantos os portáteis e os que não são muito mais eficientes do ponto de vista energético.

Resta esperar para que a bateria de nossos aparelhos possa ser ainda mais resistente a cada dia, sem a necessidade de ter que ficar carregando o aparelho várias vezes por dia.

Se estamos cada vez mais tecnológicos, imagina quanto as baterias durante mais tempo ainda?

Por Douglas Lima dos Anjos

Novo chip da Toshiba

Foto: Divulgação


A Intel apresentou recentemente um novo conceito do Black Brook, um All-in-One que roda o sistema operacional Windows 8.1 e possui uma bateria integrada que visa garantir a mobilidade. A companhia afirma que o futuro dos computadores serão os portáteis e potentes. Isso porque o consumidor necessita de um computador potente para trabalhar, que seja conectado na tomada e utilize o mouse e o teclado. Mas ele deve servir também para os momentos de entretenimento, tornando-se uma plataforma com tela sensível ao toque e sem estar plugado, rodando jogos, vídeos e filmes.

A tela do All-in-One do Black Brook da Intel é touchscreen, com tamanhos de até 27 polegadas. A tela é bastante sensível, podendo ser utilizada por designers para fazerem suas criações. Por meio das câmeras 3D RealSense e um microfone que possui quatro entradas de áudio, o usuário poderá comandar diversas funções por meio de gestos e comando de voz. A bateria, depois de carregada, pode dar ao computador horas de funcionamento constante. Seu sistema operacional já está atualizado, com o Windows 8.1. Com ele, todas as tarefas serão facilitadas. Os processadores adotados serão superiores ao Intel Core i, como placa de vídeo de alta definição NVIDIA. Sua memória interna também irá variar, mas como possibilidade de extensão por meio de cartões de memória ou HDs externos.

A Intel lançou um vídeo no seu site oficial, chamado “What is a Portable All-in-One?”, ou “o que é um portátil All-in-One?”, que mostra ao público como será o funcionamento do novo produto e quais as tecnologias incorporadas. Porém, ele deverá chegar no mercado internacional somente daqui um ano, segundo os executivos da empresa. Seu preço não foi divulgado. É provável que seu custo será proporcional ao tamanho da tela, que pode variar.

A sua chegada aqui no Brasil poderá ser alguns meses após o seu lançamento.

Por Danilo Gonçalves

Intel Black Brook

Foto: Divulgação


A utilização de hibernação é muito comum com vários usuários de todo mundo. Ele serve para deixar o equipamento em funcionamento contínuo e evitar que uma nova inicialização seja feita, que é normalmente mais demorada. Porém, muitas pessoas ainda têm dúvidas se a hibernação é uma boa alternativa ao invés de desligar o computador.

A hibernação funciona como um processo de “quietação” do computador. Nessa opção, o equipamento fica parecendo estar desligado, mas na verdade as informações abertas ficam gravadas, as janelas do navegador ficam abertas e programas que estavam em execução permanecem ativos. Tudo no disco rígido do aparelho. Quando o usuário hiberna o computador e depois retorna para o seu uso, as informações deixadas no HD voltam a funcionar exatamente como foi deixado.

O mais interessante da hibernação, além de voltar a funcionar tudo o que ficou em aberto, a opção de hibernar do computador não consome em nada a bateria do notebook. A função desligar também não consome bateria, claro, mas quando o usuário escolhe em desligar o computador, o sistema operacional envia uma mensagem para os programas ativos dando-os uma última chance para salvar os dados e configurações. Caso seja feita a confirmação, o sistema desliga a máquina e fecha todos os aplicativos em aberto, impossibilitando usá-los de onde parou.

Não há problema nenhum deixar o computador em estado de hibernação. Contudo, vale lembrar que se o usuário deixou várias sessões e programas abertos, pode ser que para voltar a funcionar, o sistema demore a reiniciar tudo de novo, já que são muitas informações para serem processadas e voltadas à ativa novamente.

A verdade é que colocar o computador para hibernar algumas vezes pode ser até melhor do que ficar ligando e desligando o aparelho toda hora. Muitos especialistas explicam que o processo de ligar e desligar pode danificar o equipamento, um desgaste cumulativo efetivo no circuito elétrico dele.

A hibernação é importante e de muita utilidade para aqueles usuários que usam o computador com uma constância alta, podendo ter essa opção de deixar programas abertos sem precisar desativá-los e ativá-los a todo o momento.  

Por Carolina Miranda

Hibernar

Foto: Divulgação


Um dos principais problemas que todas as pessoas encontram ao usar um notebook é a duração de sua bateria, a qual, geralmente, tem uma duração de, no máximo, 5 horas.

Para solucionar tal problema, a empresa canadense WeWi  desenvolveu e divulgou imagens de uma nova e exelente tecnologia, a qual promete revolucionar o mercado de notebooks, carregando-se utilizando a energia solar, o qual o produto SOL, como é chamado o aparelho, com sua carga completa em duas horas, funcionará por 10 horas, não precisando conectar-se à tomada, economizando, assim, eletricidade.

O produto, que é novidade no mercado, será equipado com uma tela HD de 13,3 polegadas, placas solares localizadas na parte posterior, processador Intel Atom Dual-Core D25000, 1.86 GHz, conexão Wi-Fi, disponibilidade para Bluetooth, 3 entradas USB, 2 GB em sua memória RAM, 320 GB em seu disco rígido, compatibilidade para modem 3G ou 4G, GPS integrado, além de ser à prova do acumulo de poeira e impermeável.

O produto funcionará com sistema operacional Ubuntu e, de início, custará cerca de 300 dólares, uma quantia alta para países onde o IDH é baixíssimo, porém, poderá ser usado com finalidades humanitárias, principalmente em países onde a energia elétrica é algo precário ou escasso. O lançamento do produto será em países de origem africana, tendo início no país de Gana.

Com um design imponente, de característica militar, SOL, apesar de ser uma maravilhosa inovação, por ser um produto de energia limpa, apresenta processadores já ultrapassados, devido aos sistemas mais atuais ainda não conseguirem ser sustentados por alguma fonte de energia renovável.

A previsão de lançamento no Brasil dessa nova tecnologia em notebooks ainda não foi divulgada, mas, provavelmente, será um sucesso de vendas devido tantos benefícios, porém, por tratar-se de um produto que será importado, presume-se um alto valor a ser pago pelos brasileiros.

Por Danilo Lacalle

SOL - Novo notebook recarregável por energia solar

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: