Saiba o que acontece dentro do processador quando ele está ocioso



  

O processador de um computador é conhecido como sendo o “cérebro” da máquina, já que é a unidade central e controladora que determina todos os processos que serão realizados pelos demais hardwares.

Dessa forma, fazendo uma analogia justamente com o cérebro humano, questiona-se o que acontece em seu interior nos momentos em que a máquina que ele comanda está ociosa. A resposta é simples se mantivermos a comparação: ele não para!

Essa central de comando, durante todo o tempo que o computador está ligado, está registrando informações “aferentes” e enviando comando “eferentes” para as demais partes da máquina. Um computador é dito ocioso quando o usuário não realiza nenhum comando em um determinado período, ou seja, não está mexendo no mouse, digitando ou esperando respostas de algum aplicativo rodando no sistema operacional.

Nos computadores executando Windows, é possível ver o uso do processador e quais aplicativos estão sendo executados ao acessar o Gerenciador de Tarefas do Windows. Essa função exibe, inclusive, um gráfico de uso da CPU e quais aplicativos estão utilizando qual porcentagem de seu desempenho.

No entanto, ao contrário do que se espera, quando o computador está ocioso, ele ainda está executando uma tarefa chamada Tempo Ocioso do Sistema.

Essa tarefa faz com que a CPU monitore os aplicativos que estão sendo rodados em segundo plano, verificando se necessitam de alguma atenção, e ainda permite que o processador esteja sempre pronto para responder a algum comando realizado pelo operador da máquina.





Porém, mesmo que a tarefa Tempo Ocioso do Sistema esteja sempre ligada ao acessar o Gerenciador de Tarefas, ela perde em questão de prioridade para qualquer outro programa que começar sua execução. Dessa forma, a análise de programas de segundo plano só é executada quando não há outra coisa para o computador fazer.

Em relação a essa questão de ociosidade do processador, surgem questionamentos sobre a possibilidade de economizar energia durante esses momentos. Porém, mesmo que a CPU nunca pare, ela diminui o clock por um período, fazendo com que sua frequência de funcionamento esteja bem abaixo em relação aos momentos de intensa atividade, o que economiza energia, sendo uma grande vantagem para os dispositivos que funcionam com baterias.

Por Rannier Ferreira Mendes

Foto: divulgação



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *