Ferramenta Reactions permite que o usuário escolha outras opções para interagir com a postagem.

Desde muito tempo, os usuários do Facebook têm pedido outras opções para o botão “Curtir”. Alguns pedem até mesmo a opção de “Descurtir”, como forma de interagir melhor com as postagens e publicações da rede.

Pensando nisso, o Facebook começou a testar desde o dia 8 de outubro, a ferramenta que foi batizada de “Reactions”. A ferramenta permite que o usuário escolha entre opções como um coração e uma risada, para interagir com a postagem.

A explicação dada por Mark Zuckerberg em sua rede social é a de que nem sempre os sentimentos provocados por um momento são expressados por um simples “curtir” e as opções vêm com o intuito de diversificar os momentos dos usuários.

A novidade vem com seis botões adicionais, que incluem emoticons de tristeza ou raiva, por exemplo. O botão “não curti” ainda não chegou, mas já é uma boa forma dos usuários demonstrarem seu descontentamento com alguma postagem que lhes cause algum desconforto.

Segundo Zuckerberg, “Reactions” dá ao usuário o poder de demonstrar facilmente sua tristeza e empatia.

A novidade foi lançada inicialmente na Irlanda e na Espanha, para testes, e somente depois disso chegará a outros mercados, como o brasileiro.

Enquanto a ferramenta não chega ao Brasil, os usuários continuam interagindo como podem: a opção de comentar com um emoticon já está disponível, e por enquanto é um bom substituto para o botão “Reactions”.

O grande problema da ferramenta “Reactions” é que cada vez mais a interatividade na internet está ligada a somente um clique. Se antes era necessário comentar uma postagem, para demonstrar sua indignação ou seu descontentamento, agora basta um clique para que um emoticon faça esse trabalho por você. Uma boa funcionalidade, todos concordam, mas que pode afastar cada vez mais as pessoas, e silenciar cada dia mais as opiniões.

Por Rodrigo Silva

Reactions


Messenger busca mais interação e melhor expressão para os seus usuários

Aconteceu nos dias 25 e 26 de março, em São Francisco, na Califórnia, Estados Unidos,  a F8, que é uma conferência tradicional do Facebook, voltada à desenvolvedores e outros profissionais que criam para o Facebook ou que o utilizam como meio de trabalho. A novidade ficou por conta da 'promoção' do Facebook Messenger, que ganhou do chefe, Mark Zuckerberg, o status de 'plataforma'. 

Com esse acontecimento, o Facebook  Messenger pára à frente no WhatsApp em termos de recursos similares e de aplicativos que dão o tom de divertimento às conversas via aplicativo.

Sendo chamado de  Messenger Plataforma (tradução livre), ele chega com um objetivo bem definido: ajudar os desenvolvedores a criarem aplicativos que se integrem ao Messenger para dar mais opções de interação e melhor expressão aos os seus  mais de 600 milhões de usuários, para que eles  tenham mais formas de comunicar-se, através de GIFs, fotos, clipes de aúdio e outros. 

A boa notícia: o Facebook anunciou que aproximadamente 40 aplicativos já estão em funcionamento para o lançamento, entre eles, alguns já bem conhecidos, como o Talking Tom, Meme Generator, Bitmoji e muitos outros.

Devido à essa mudança, haverá a possibilidade de um contéudo do aplicativo ser compartilhado em mensagens particulares ou em grupo. Aplicativos compatíveis poderãos ser baixados pelo Messenger, na App Store, Google Play ou mesmo na Windows Store.

Negócios pelo messenger

Uma boa notícia nunca vem sozinha, sempre traz outra. O Messenger se tornou tão importante no Facebook que desencadeou uma outra novidade: o Messenger para Negócios, que é parecido com o Facebook para Negócios. Ele vem para transformar o aplicativo e tidas suas funcionalidades em uma nova ferramenta para as empresas. Através dele,

o usuário poderá ser avisado do status de uma compra que tenha feito pelo Messenger, uma vez que o vendedor (site de onde comprou) tenha o recurso instalado. O usuário poderá ainda, contatar a empresa via app, caso precise de informações sobre o seu produto. Uma ótima ideia, que vem a somar e a facilitar a aproximação das empresas com os seus clientes.

Por enquanto, há apenas duas empresas com o aplicativo funcionando: Everlane e Zulily, mas para todas as outras, ele deve começar a funcionar em breve.

Por Elia Macedo

Foto: divulgação


Rede social quer fazer com que seus usuários não precisem sair de seu sistema para acessar notícias de outros sites

O Facebook continua com planos de expandir seus negócios e não ser apenas uma rede social onde os usuários possam postar fotos, vídeos e memes, a empresa tem planos bem mais ambiciosos para seu futuro.

Hoje no Facebook podemos encontrar também diversas notícias que são postadas principalmente pelos veículos de comunicação que mantêm um perfil na rede social. E divulgar notícias nas redes sociais tem sido uma ótima forma para que estes veículos de informação possam fazer com que seu material chegue a um número bem maior de pessoas.

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, está atento a todo este conteúdo publicado na rede social e tem planos de hospedar estes sites de notícias. Zuckerberg já se reuniu com diversas empresas de comunicação para lhes apresentar o projeto e estudar as melhores formas de viabilizar este seu objetivo.

A intenção de Zuckerberg é que o material produzido pelas empresas de comunicação fique armazenado no Facebook. Atualmente são postadas "chamadas", ou seja, só uma parte da notícia é publicada e para ler a matéria na íntegra, o usuário precisa clicar no link e ser redirecionado para o site da empresa de comunicação, ou seja, o usuário "deixa" o Facebook e é isso que Zuckerberg não quer que aconteça mais.

O projeto de Zuckerberg é ousado, mas seria um grande passo para o Facebook que deseja manter os usuários sempre no seu próprio "ecossistema".

Hoje o que existe é uma "parceria não combinada", onde os veículos de comunicação geram conteúdo em seu site e usam o Facebook para atrair os usuários.

Ter o conteúdo completo do material informativo dentro do Facebook seria bom para a própria empresa que manteria seus usuários sempre conectados ao sistema e seria bom também para os usuários que não precisariam ficar saindo do Facebook toda hora para lerem as notícias nos diversos sites.

O problema agora é apresentar para as empresas de comunicação qual seriam as vantagens para elas.
O grande desafio do Facebook é justamente este, criar um modelo de negócio que traga vantagens também para os portais de notícias.

Porém, grandes empresas já demonstraram interesse no projeto do Facebook, como o New York Times, a National Geographic e até o BuzzFeed.

Apesar das dificuldades e incertezas, o projeto já se mostrou interessante e atraiu a atenção dos profissionais da área. Em breve o Facebook começará os primeiros testes e o público poderá experimentar esta nova plataforma de notícias, que se der certo vai atrair os sites de notícias do mundo todo.

Por Russel

Facebook

Foto: Divulgação


A rede social mais comentada da atualidade, o Facebook, criou uma nova ferramenta. Ela será implementada na rede com o intuito de ajudar muitas pessoas que estão passando por situações complicadas. O intuito da ferramenta é colaborar na luta mundial contra o suicídio. 

A sua função é bastante discreta. Para que ela funcione, é necessário que as pessoas reportem para o Facebook possíveis mensagens suicidas publicadas nos perfis dos amigos.

A rede social começará a distribuir o novo recurso dentro de poucos meses para o público norte- americano. De acordo com o Facebook, a ferramenta deverá ser aprimorada para ser apresentada para outros paises.

A ferramenta parece "mais um" adereço da rede, no entanto, ela possui uma conotação bastante importante e pode ajudar a salvar vidas no mundo inteiro.

O funcionamento é bastante simples: se uma pessoa perceber no seu feed de notícias que um amigo publicou uma mensagem de desespero ou que seja traduzida num possível suicídio, ela poderá reportar a publicação para o Facebook.

Na próxima vez que o amigo fizer login, ele receberá uma mensagem gerada de forma automática oferecendo auxilio. A ajuda prestada pelo Facebook será dada questionando se a pessoa quer falar com alguém ou se precisa de dicas de apoio.

O Facebook já oferece o serviço de apoio ao suicida, no entanto, ela é apresentada de forma mais trabalhosa. Para reportar o post suicida é necessário entrar em contato com a rede, encaminhando o link do perfil ou até mesmo o print da tela contendo a mensagem suspeita. Agora, com o novo mecanismo, ficará muito mais rápido e fácil reportar à equipe.

Outra novidade é que os profissionais responsáveis por esta área estarão disponíveis 24 horas dos sete dias da semana.

Se estiver precisando de ajuda para suportar uma situação difícil, entre em contato pelo 141 com o Centro de Valorização da Vida (CVV).

Por Melina Menezes

Foto: divulgação


Um dos maiores desafios do Facebook, praticamente desde sua fundação, é acertar no algoritmo do feed de notícias. Tanto para perfis pessoais, como para administradores de página, o resultado das notícias que aparecem para os outros usuários não é cem por cento satisfatório.

Para isso, o Facebook criou uma versão especial da rede social, com alguns usuários reais convidados, formando um grupo de 30 pessoas, para que conteúdos significativos para elas apareçam em sua timeline.

Apesar do conteúdo aparecer de forma aleatória e sem classificação específica de ordem, a intenção é que o usuário observe apenas uma história/feed por vez. A meta é que esses avaliadores olhem 100 postagens por dia, sendo pagos por unidades.

Ao final de cada dia, esses mesmos convidados devem responder a oito perguntas sobre a experiência de uso de cada um e, ao término, é necessário que escrevam algo falando o que sentiram ao lerem ou visualizarem as histórias específicas de cada feed.

A pesquisa já trouxe alguns resultados. Entre eles, já foi observado que os usuários da rede social dão mais importância para conteúdos publicados por familiares ou amigos próximos, incluindo mensagens e imagens.

Outra descoberta, que pode parecer óbvia, mas não havia sido notada pelos diretores do Facebook, foi que não é sempre que uma pessoa clica em ‘Curtir’ signifique que ela tenha real interesse no que foi publicado, e sim, apenas uma maneira de tentar se aproximar da pessoa que postou o conteúdo que foi curtido.

Agora, uma constatação das pesquisas, que já havia sido notada por muitos administradores de página, e foi realmente confirmada, é que as pessoas não se interessam tanto pelos anúncios pagos pelas empresas, que muitas vezes incomodam os usuários.

Apesar de ser uma das formas do Facebook manter sua renda, é algo que não agrada aos usuários da rede social, e não estão dando retorno para as empresas, uma vez que a quantidade de aparições do anúncio não é grande, o valor cobrado é considerado alto e as pessoas raramente clicam nos anúncios.

Por Felipe Villares

Foto: divulgação


Em breve você passará a ser mais vigiado pelo Facebook. Isto porque, até o final deste mês, a mais popular rede social do mundo fará alterações nos termos da política de privacidade do site.

Após estas mudanças, além das 70 informações já coletadas em seu perfil, como data e local de nascimento, preferências políticas e religiosas, suas mensagens enviadas e recebidas, números de telefone e muitas outras, agora a empresa irá controlar os anúncios publicitários que aparecem na sua página.

A proposta destas alterações é de contribuir para uma melhora na forma com que cada pessoa navega pelo site e permitir que apenas os assuntos mais relevantes para cada usuário sejam exibidos em sua página.

Desta forma, caso apareça um anúncio em seu perfil que não seja algo do seu interesse, você mesmo poderá proibir a exibição do mesmo, apenas clicando no “x” que aparece na parte superior da imagem publicitária quando se passa o mouse em cima dela.

A mesma ação ainda poderá ser feita quando surgirem sugestões de pessoas supostamente conhecidas (amigos de amigos, pessoas da mesma cidade ou região) e também para sugestões de determinados grupos em sua página.

Outro ponto importante sobre as novas políticas de privacidade, é que elas tornarão a procura por produtos e serviços mais personalizada, graças à utilização de recursos que descobrem sua localização e, a partir disso, enviam para seu perfil informações publicitárias de parceiros que se encontram mais próximos de você.

Toda vez que um determinado anúncio aparece em sua página, ele é exibido porque o Facebook já analisou os dados coletados em suas visitas anteriores na rede, os cookies e arquivos temporários do seu computador, tablets ou smartphone e repassou estas mesmas informações aos seus clientes que comercializam produtos relacionados com suas atividades e  buscas.

A rede social de Mark Zuckerberg assegura que somente divulga estas informações aos seus clientes depois de se certificar que não serão enviados nomes e informações pessoais que possam servir para identificação dos usuários.

A empresa afirma ainda que nenhum dado é enviado individualmente e que eles somente são disponibilizados aos seus parceiros comerciais, após serem combinados com um grupo de outros usuários que possuem as mesmas preferências e hábitos na rede.

E, para esclarecer de uma forma simples e objetiva estes novos termos, o Facebook criou uma página exclusiva que ensina aos usuários algumas formas de como proteger suas informações na rede.

Caso você ainda não tenha acessado a página e tenha dúvidas de como alterar as configurações de privacidade do seu perfil, clique aqui e aprenda o passo a passo de como ativar e desativar alguns destes recursos de segurança.

Por André F.C.

Foto: divulgação


A facilidade, praticidade e o conforto são cada vez mais importantes, não importa o assunto, nos dias de hoje. Apesar de parecer um avanço no mundo das redes sociais o fato de poder comentar uma foto, status ou compartilhamento com uma imagem apenas que resuma o que a pessoa pensa a respeito do assunto, existem algumas pessoas que sentem falta do visual “limpo” do Facebook, como era há algum (não muito) tempo atrás. É compreensível a nostalgia destes, visto que não raras vezes topamos com uma poluição visual com imagens em comentários de posts com quase nenhum comentário, no sentido literal da palavra. Mas os dias de agonia para os usuários do Facebook que odeiam comentários com emoticons e “stickers” estão contados.

Os famosos “memes” têm tido papel de destaque entre os preferidos dos fãs de comentários “sem palavras”. Fotos de famosos com expressões faciais diversas e engraçadas são completadas com frases de efeito, duplo sentido ou explicitamente dizendo o que o usuário sente, o que dá um toque de humor ao “feed do face”. Fora a facilidade atual de apenas abrir o cardápio de sticker e emoticons, diferente dos “velhos” tempos, onde era necessário procurar pelas pastas do computador pela imagem que gostaria de inserir no comentário (e que ainda dá pra fazer se quiser inserir fotos).

Elaborada por um mal humorado assumido, uma extensão está disponível para realizar o trabalho sujo. Chamada de “unsticker.me”, ela instantaneamente limpa seu “Feed” de notícias, página de eventos e grupos, substituindo todos os comentários feitos com imagens por um singelo “[sticker]”, indicando que ali havia um bichinho, coraçãozinho, comidinha, mãozinha etc….

A extensão não se estende (parece redundância né?!) às mensagens do chat do Facebook, afinal, ninguém é tão mal humorado assim (será?!), e atualmente está disponível em três versões: uma para o Firefox, uma para o Chrome e outra em código puro para quem quiser modificar.

Por Felipe Foureaux Freitas

Facebook

Foto: Divulgação


A rede social Facebook está com planos de criar critérios mais elaborados na permissão de pedidos de acesso aos dados de seus usuários.

A revisão dos critérios pode interferir no acesso de mais de 1,32 bilhão de usuários ativos atualmente. Essa necessidade se deu após um teste psicológico em 2012 ter criado bastante furor na rede social.

A ideia é ter uma análise com mais atenção dos critérios para pedidos de pesquisas, mesmo que seja para propósitos internos ou mesmo pesquisas acadêmicas. Desde que lidem com conteúdo pessoal ou de grupos específicos de pessoas o critério deverá ser mais rigoroso. As informações são do diretor de tecnologia da empresa, Mike Schroepfer. O mesmo ainda não deu detalhes de como serão aplicadas essas novas regras. Porém o Facebook aposta na inteligência de novos engenheiros de computação para desenvolverem e serem treinados dentro da própria companhia.

Qualquer pesquisa realizada com dados dos usuários pelo Facebook deverá estar disponível para todos, concentrado em um único site de pesquisa do próprio Facebook.

Ainda segundo a empresa foi realizado, em 2012, um teste com mais de 700 mil usuários da rede, o que irritou bastante os internautas, a conclusão foi que a partir de então, a companhia, depois de fazer as revisões de seus métodos, de como lidava com pesquisas, iriam interferir de forma diferente, já que o método da época criou uma tendência de publicações negativas no feed de notícias da rede.

Durante os estudos, o Facebook chegou a realizar outros experimentos levando em consideração o estado emocional de seus usuários, na tentativa de verificar se os mesmos iriam postar conteúdo positivo ou negativo. De acordo com Schroepfer, apesar de se tratar de um importante tema de pesquisa, a empresa não estava devidamente preparada para todas as reações que foram recebidas pela pesquisa no ato de sua publicação.

Por Vivian Schetini

Facebook

Foto: Divulgação


Uma nova rede social vem se tornando a sensação da internet nos últimos dias. O público alvo são aqueles usuários insatisfeitos com o Facebook, considerado a maior rede social do momento, mas que pelo visto não tem agradado a todos.

A plataforma Ello garante mais privacidade aos usuários, além de se declarar contrária ao abuso de campanhas publicitárias. Ainda em teste, a nova rede social criada em 2013, somente aceita convidados, por enquanto. Mas se você tem interesse em ser um desses convidados basta acessar o endereço da rede ello.co e solicitar um convite, embora não dê para saber quando seu pedido será atendido. A demora na aceitação dos convites é reflexo da grande demanda sobre a novidades, bastantes pessoas estão interessadas na nova rede, seja por insatisfação com as atuais ou mesmo só por curiosidade.

De acordo com o fundador da Ello, Paul Budnitz, a rede chegou a receber mais de 30 mil pedidos de inscrição em apenas uma hora, e ainda, de acordo com o noticiário do site BetaBeat a cada três ou quatro dias dobra consideravelmente o tamanho do portal.

A Ello está localizada em Vermont, nos Estados unidos, e foi lançada por um grupo programadores e artistas, liderados por Budnitz, para ser uma página “simples, linda e livre de publicidade". Com um investimento inicial de US$ 435 mil do fundo de investimento de capital de risco FreshTracks Capital pretende adotar algum modelo de negócios rentável para dar lucro aos investidores.

Por enquanto, a plataforma adota uma versão “freemium", gratuita, porém com restrições, algumas funções do portal ainda dependem de pagamento. Ainda não se sabe que funcionalidades poderiam ser ou não cobradas e qual será essa valor, já que a Ello ainda apresenta recursos básicos nos perfis dos usuários.

Em comparação ao seu principal concorrente, o Facebook, a Ello possui uma postura antipublicidade e se propõe a abrir mão de regras restritivas, como exigir que os usuários criem perfis com seus nomes verdadeiros.

Por Vivian Schetini

Ello

Foto: Divulgação


Um dos maiores sites de relacionamentos que existe hoje é o Facebook, sendo possível afirmar que essa é uma rede social acessada com uma grande frequência no Brasil e em todo o mundo.

A maioria dos usuários do Facebook hoje desejam deixar o seu perfil personalizado, e a maneira mais fácil de conseguir isso é através do modo de exibição conhecida como Linha do Tempo, na qual é possível deixar uma foto de capa e outra foto no perfil.

Porém, ainda existem aqueles usuários que preferem usar o modelo antigo de perfil para o Facebook, e se você é um deles e deseja nesse momento desativar a Linha do Tempo da sua rede social, veja abaixo o passo a passo para realizar esse procedimento.

A primeira coisa que se deve fazer é baixar o TimeLine Remove no seu computador. Depois acesse a sua página do Facebook, e veja logo no canto superior direito uma imagem do aplicativo.

Ao clicar nessa imagem é possível ativar ou desativar a sua Linha do Tempo do Facebook quando desejar, sendo essa uma das ferramentas mais usadas no momento. 

Por Josiane Fernandes de Jesus


Nesta última segunda-feira usuários do Facebook, do Gmail e de outros serviços oferecidos pelo Google foram surpreendidos pela instabilidade dos aplicativos e pela queda da rede social, que ficou fora do ar por alguns instantes.

Para quem tentou acessar serviços, tais como Google Chrome, Gmail e Gtalk, depararam-se com lentidão durante as tentativas de acesso, travamento, ou mensagens de erro.

Na terça-feira, 11 de dezembro de 2012, o engenheiro Tim Steele, do Google, explicou em um fórum de desenvolvedores que um erro de sincronização em um servidor do Google foi o motivo para a falha global que deixou o Gmail fora do ar por volta de 20 minutos.

Já a rede social desenvolvida por Mark Zuckerberg ficou fora do ar em diversos países por quase 30 minutos, impossibilitando seus usuários de acessarem suas contas no Facebook.

Durante esta terça-feira, o Facebook anunciou a causa do problema acontecido na noite anterior. De acordo com a empresa, a pane foi causada por uma mudança nas configurações de nome do domínio.  O Facebook preferiu não dar maiores informações sobre a causa e as proporções da falha ocorrida.

Por Paulo Andrade


Uma nova ferramenta sairá do mundo virtual e ganhará forma física no mundo real, o designer Jason Van Loenen fez uma parceria com Bartholomäus Traubeck e os dois criaram a Poking Machine.

Você deve estar se perguntado o que é isso e para que serve? Bom todos já devem saber que o Facebook é atualmente a rede social mais utilizada no mundo e uma de suas ferramentas mais famosas, sem dúvida, é a ferramenta de cutucar, que funciona da seguinte forma: toda vez que alguém visitar a página de outro usuário a opção de cutucar ficará disponível, ao clicar nesta ferramenta automaticamente é enviado uma mensagem para a pessoa avisando que ela foi cutucada.

Com a máquina, toda vez que a alguém o cutucar no Facebook um pino irá se erguer fazendo com que você realmente tenha a sensação de que foi cutucado. O aparelho é usado no braço, funciona através de um sinal de um celular smartphone Android com Bluetooth e é necessário apenas uma bateria simples para ligar o aparelho.

O criador da Poking Machine justificou que o motivo da criação é pela falta de mediação física da comunicação nas redes sociais.

Para quem gosta da ferramenta do Facebook, com certeza a máquina será muito bem-vinda.

Por Guilherme Marcon


O Facebook é atualmente a rede social mais usada no mundo, e dos quatro países onde a rede é mais famosa, o Brasil encontra-se em 4º lugar com o maior crescimento nos últimos três meses em relação ao número de pessoas que utilizam a ferramenta, seja para uso pessoal ou profissional.

De acordo com a revista Forbes, o aumento será capaz de posicionar o país como o segundo com o maior número de usuários, ficando atrás apenas dos Estados Unidos.

Os dados foram levantados pela Socialbakers e de acordo com eles se o Brasil continuar nesse ritmo, que foi de 20,03% em apenas um mês, o país será capaz de ultrapassar a Índia e a Indonésia, que apresentaram um crescimento percentual menor.

Atualmente o Brasil conta com 42,2 milhões de usuários cadastrados no site Facebook. Os Estados Unidos possui 155,8 milhões de usuários, logo atrás vem a Índia (com 45 milhões) e a Indonésia (que possui 43,5 milhões de usuários). Atrás do Brasil vem a Rússia (com 6,01 milhões de usuários) e em seguida a China (com 447 mil). A China apresentou um decréscimo de 15,11% nos últimos 3 meses.

Por Guilherme Marcon


Que a grande rede social Facebook vem se consolidando como a mais poderosa do mercado, não se discute. Agora, tendo percebido isso, a empresa acaba de disponibilizar um "chat oficial", batizado pelo nome de Facebook Messenger.  O programa é instalado em sistemas Windows, e apresenta um visual bem parecido ao da página do "Face". Com isso, a interatividade dos "facebookianos" será mais agradável.

Entre outras características, o Facebook Messenger está contando com pedido de amizade, notificações e outras atividades interativas.

Será que o Facebook agora está planejando uma concorrência com o Windows Live Messenger (ou mais conhecido como MSN)? Isso não podemos dizer. Porém, sabemos que a ferramenta com certeza será útil para os amantes da rede social.  

Agora, só nos resta experimentar o programa e compartilhar com os nossos amigos.

O aplicativo é encontrado no The Windows Club (www.thewindowsclub.com).

Por Yuri Berg


A rede social Facebook ganhou notoriedade por meio de suas ferramentas de fácil utilização por qualquer pessoa medium-user de internet. Com layout amigável, o sistema pretende, em breve, melhorar o atendimento das necessidades da população brasileira, dado o aumento de usuários no Brasil.

Em poucos dias os navegantes norte-americanos terão novidades no Facebook.. Trata-se de uma tecnologia de reconhecimento facial para promover identificação e marcação de fotos de maneira mais facilitada. Com a tecnologia, o sistema varrerá cada imagem encaminhada à rede social e sugerirá, automaticamente, o nome de amigos presentes nas fotos.

Como justificativa a essa implementação o Facebook alega que diariamente seus usuários geram mais de 100 milhões de tags em imagens. Enquanto a novidade não chega ao Brasil, os usuários podem realizar o processo manualmente.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Terra





CONTINUE NAVEGANDO: