Confira aqui algumas dicas de como preservar a bateria do seu notebook.

Mesmo que por pura curiosidade, todo mundo já deve ter colocado ao menos uma vez baterias e pilhas no freezer de casa para eventualmente “ressuscitar” as mesmas com o resfriamento. Apesar de ser um processo curioso e de muitos adeptos e divulgadores a coisa não é por aí…Até mesmo por um simples “não custa tentar” é bom não fazer nada disso. Entre diversos outros fatores, as condições e a umidade dentro do freezer podem acabar causando mais danos a bateria no lugar de supostamente renová-la.

Então nada de achar que os fabricantes de baterias fazem conspiração. Até agora ainda não contamos com nenhuma tecnologia que consiga produzir uma fonte de energia que seja inesgotável e que possamos usá-la em notebooks, tablets e smartphones.

Antes de tentar esses métodos que prometem verdadeiros milagres na bateria, uma boa ideia é sempre usá-la com bom senso, fazer os ajustes quando for preciso e claro, quando chegar o momento trocá-la.

De qualquer forma existem várias coisas que podem ser feitas para que o desempenho da bateria seja otimizado (e não estamos falando do freezer!).

Uma das primeiras coisas que o usuário pode fazer é reduzir o brilho do monitor de seu aparelho. Quanto mais brilhante a tela for mais desperdício da bateria haverá.

A lista de vilões vai bem além da tela. Dispositivos USB que estejam conectados e que ficam lá sem uso também contribuem para um uso “prejudicial” da bateria.

Softwares que não estão configurados corretamente e execução de diversos programas ao mesmo tempo não são coisas ideais de se fazer.

Um bom exemplo nesse ponto é o celular que está conectado ao notebook ou a impressora e que não estão sendo usados. Eles ficam sugando a energia da bateria, contrariando a falsa ideia de que se não estão em atividade não consomem nada. Na hora de economia da energia é bom ficar atento a todos os periféricos que estejam conectados a sua máquina para evitar o desperdício.

Outro ponto que entra na lista de dicas de economia é sempre desligar o Wi-Fi e o Bluetooth de seu notebook toda vez que não estiver usando os mesmos.

Por final, para fazer a recarga não saia pegando qualquer carregador que você encontrar por aí e nem deixe a energia do computador acabar por completo. O ideal é que a bateria seja recarregada quando estiver entre 20% e 30%.

No caso de a bateria não durar mais de 30 minutos, pode ser sinal de que já está na hora de fazer a troca. E lembre-se de sempre buscar por alternativas originais para seu aparelho.

Por Denisson Soares


As baterias de um notebook são envolvidas constantemente por ideias mitológicas. Pergunta-se com frequência se é melhor ou não retirar a bateria ao conectar o notebook na tomada. Outro questionamento é se existe algum risco na compra de bateria pirata e também se há a possibilidade da extensão da durabilidade da bateria do notebook.

– É correto afirmar que é necessário retirar o carregador da tomada no momento que a bateria do notebook estiver com a carga completa?

Não. Caso uma pessoa tenha uma tomada disponível e não haja necessidade de mover o notebook, o melhor é permanecer o notebook ligado na tomada. A bateria tem um tempo de uso que tem limitação através do número de cargas. Desta forma, usa-la de forma desnecessária causará um desgaste sem utilidade que irá acarretar na diminuição do seu tempo de uso.

– É preciso retirar a bateria se desejarmos utilizar o computador conectado diretamente na tomada?

Não. Recentemente, as baterias de íons de lítio não têm o efeito memória. Esta característica era constante nas baterias anteriores de níquel cádmio, que necessitavam de uma descarga total antecipada para o começo de serem recarregadas novamente. 

Existe também o fato de que, se a bateria permanecer no computador, você poderá prevenir a perda de seu trabalho se a energia cair.

– Manter o notebook conectado em tempo total diminui o tempo de uso da bateria?

Caso o computador esteja o tempo todo ligado na tomado, não é necessário. O tempo de uso da bateria é determinada pela quantidade de vezes que ela chega no nível de 100% de carga. Caso o computador se mantenha o tempo todo conectado na tomada, ao considerar a ausência da modificação do nível de carga da bateria, não terá nenhum desgaste para a bateria.

A bateria pode ser danificada se deixar se o seu tempo for zerado. Caso você mantiver a bateria descarregada armazenada por muito tempo, sua carga mínima de utilização poderá se perder, tornando a bateria sem uso.

Por Felipe Couto de Oliveira

Foto: divulgação


Desde cedo a Sony soube se posicionar no mercado competitivo das novas tecnologias, principalmente no nicho dos notebooks. Prova disso são os populares Vaio, nas séries SA/SB de design fino e elegante.

Agora, numa tentativa de ganhar (ainda mais) mercado, a Sony lança a Bateria Extra em Folha. O nome é bastante revelador: é uma bateria, é extra e super fina e não altera, em nada, o design do equipamento.

A nova bateria é recarregável juntamente com a de origem quando ligada a dock station e fornecerá um extra de 14 horas de energia ao notebook.

Para divulgar o produto, mais uma vez a Sony aposta nas redes sociais: basta acessar o Facebook e perceber a grande quantidade de compartilhamentos de fotos e posts.

Humanizar está na ordem do dia! Inovar também. Ideias serão sempre bem vindas! E a Sony teve, definitivamente, uma boa ideia!


O e-reader Kobo, que foi anunciado em Março, acaba ser lançado no Estados Unios, e é mais um na briga pelo mercado dominado pelo iPad. Na verdade, ele não tem cacife para isso, e está destinado a disputar espaço mesmo é com o Kindle, da livraria Amazon e o Nook, da Barnes & Noble.

O Kobo, assim como seus rivais, é fabricado por uma rede de livrarias, as Borders. As especificações são as mesmas que foram anunciadas anteriormente, ou seja 1GB de memória (suficiente para mil edições em formato Epub ou PDF). Ele ainda conta bluetooth e USB.

Pesando pouco mais de 200 gramas, um ponto interessante é a duração da bateria: 2 semanas. O preço também ficou dentro do anunciado: 149 dólares. Quem comprar o produto agora começará a recebê-lo a partir de 17 de Junho.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: G1


Para quem gosta e está acostumado a comprar computadores e eletrônico em geral pela internet, pode se preparar para gastar um pouco mais. Tudo isso porque as empresas aéreas deverão cumprir uma lei que impede transporte de baterias de lítio por conta de acidentes passados.

Com a proibição, o frete deve encarecer e o reflexo será, obviamente, no aumento dos custos de exportação, pois as empresas terão que desenvolver meios alternativos de transportes deste tipo de material.

A proibição não é bem vista pelos especialistas de informática, pois somente 40 acidentes ocorreram em uma estimativa de 2,2 bilhões de baterias transportadas.

Por José Alberi Fortes Junior.





CONTINUE NAVEGANDO: