Dicas dos melhores serviços de armazenamento de dados na nuvem.

O armazenamento em nuvem é uma tecnologia que tem feito muito sucesso nos últimos anos. É um serviço que pode ser acessado de qualquer lugar e que oferece diversas funcionalidades, especialmente para pessoas que trabalham ou estudam em equipe. No mercado existem diversas opções de planos (gratuitos e pagos), com diferentes focos. Confira as principais do mercado:

Google Drive

Para usar o Google Drive, basta ter uma conta Gmail ou no YouTube. O serviço oferece 15GB para armazenamento on-line e gratuito para arquivos em qualquer formato.

Os planos premium podem ser contratados das seguintes maneiras:

· 100GB – R$6,99/mês;

· 1TB – R$34,99/mês;

· 2TB – R$69,99/mês;

· 10TB – R$349,99/mês;

· 20 TB – R$699,99/mês;

· 30TB – R$1.049,99/mês.

Microsoft OneDrive

O serviço de armazenamento em nuvem Microsoft OneDrive pode ser acessado por meio de conta do Outlook. Nesse caso, é disponibilizado 5GB de espaço gratuito, e é possível ter apenas acesso on-line ao Office 365. A empresa também oferece duas modalidades de pacotes pagos:

1) Uso pessoal

· 50GB – R$7/mês, pode ser acessado por até um usuário, em apenas penas um computador e há somente acesso on-line ao Office 365.

· 1TB – R$239/ano ou R$24/mês, pode ser acessado por até um usuário, em um computador, um tablet e um telefone. O Office 365 também pode ser instalado em um PC ou Mac, para uso off-line.

· 5TB – R$299/ano ou R$29/mês, pode ser acessado por até cinco usuários, em até cinco computadores, cinco tablets e cinco telefones. O Office 365 também pode ser instalado em até cinco PCs ou Macs, para uso off-line.

2) Uso em ambiente corporativo/Business

· 1 TB com Office 365 Business Premium – R$656,40/ano ou R$65,60/mês por usuário.

· 1 TB (sem Office 365 Business Premium) – R$262,80/ano por usuário.

· Ilimitado (sem Office 365 Business Premium) – R$524,40/ano por cada usuário.

É importante frisar que esses são valores aproximados, pois deverão ser pagos por meio de transação internacional em Dólar.

Dropbox

O Dropbox disponibiliza 2GB de armazenamento em nuvem gratuito. Porém, esse tamanho pode chegar a 18GB, quando usado por mais pessoas parceiras. Já as opções pagas, têm como adicional a integração com o Office 365.

Podem ser contratadas destas formas:

· 1TB (para pessoas físicas) – US$8,25/mês (plano anual) ou US$9,99 (plano mensal).

· 2TB (para equipes) – US$12,50/mês por usuário (plano anual) ou US$15/mês por usuário (plano mensal).

· Ilimitado Advanced (para equipes) – US$20/ mês por usuário (plano anual) ou US$25/mês por usuário. Nesse caso, o cliente tem acesso a atendimento diferenciado/suporte em horário comercial.

· Ilimitado Enterprise (para equipes) – valor não informado pela companhia. Esse plano oferece serviços diferenciados, como atendimento/suporte 24 horas por dia.

Mega

Quando se fala em armazenamento gratuito, com certeza a melhor escolha é o Mega. O serviço disponibiliza segurança criptografada e 50GB de espaço grátis para qualquer usuário. Entretanto, seu problema está nos planos pagos, que são cobrados em Euros, como pode ser visto abaixo:

· 1TB – 4,99€/mês;

· 2TB – 9,99€/mês;

· 8TB – 19,99€/mês;

· 16TB – 29,99€/mês.

A empresa garante que há descontos para quem contratar uma dessas opções em plano anual.

Box

O Box disponibiliza gratuitamente 10GB de armazenamento on-line. O serviço oferece também opções pagas, que variam conforme as necessidades de cada usuário:

1) Uso pessoal

· 100GB – US$11,50/mês.

2) Uso corporativo/Business

· 100 GB – US$6/mês por usuário. É disponibilizado para equipe de entre três e dez pessoas.

· Ilimitado Business – US$17/mês por usuário. Deve ser usado por equipe de mais de três pessoas.

· Ilimitado Enterprise – valor não informado. Deve ser usado por equipe de mais de três pessoas. Oferece sistema de segurança especial e funcionalidades mais avançadas.

3) Para desenvolvedores

· 125GB – US$500/mês, sendo disponibilizado para apenas um grupo de pessoas.

· 1 TB – US$4.250/mês, sendo disponibilizado para até 10 grupos de pessoas.

Para escolher uma das opções citadas, é importante avaliar não somente a quantidade de espaço de armazenamento oferecido, mas também as funcionalidades que cada uma possui. Afinal, ao optar por esses serviços, os usuários em geral têm necessidades diferentes e/ou específicas.

Por Camilla Silva

Nuvem


A novidade concorre diretamente com a Amazon, atual líder no segmento, e promete revolucionar o mercado

O Google é uma das maiores empresas do mundo e, como toda boa empresa, sempre está em busca de inovações e melhorias em seus serviços. E para aqueles que já estão acostumados com os serviços prestados pelo Google, saibam que a empresa anunciou nesta quarta-feira, 11 de março, o seu mais novo serviço de armazenamento. Trata-se de um serviço de armazenamento na nuvem que é bastante acessível, pois custa nada menos que US$ 0,01 por gigabyte a cada mês. Confira mais detalhes sobre a nova ferramenta na continuação desta matéria.

O novo serviço tem o nome de Google Cloud Storage Nearline. Vale ressaltar que este serviço promete ser bastante eficiente e tem a missão de agradar milhões e milhões de usuários em todo o mundo. Segundo os desenvolvedores do serviço, o mesmo é capaz de oferecer acessos aos dados dos usuários em apenas três segundos, em alguns casos menos que isso.

Um dos principais objetivos quanto ao lançamento deste serviço é competir diretamente com a líder do seguimento, a Amazon.

Para aqueles que ainda não conhecem o novo serviço do Google, saibam que o mesmo é extremamente indicado para o armazenamento de dados com grande duração, no entanto, pouco acessados pelos usuários. Dessa forma, você pode utilizar o Google Cloud Storage Nearline para armazenar fotos, vídeos ou documentos de empresas, por exemplo.

Além disso, o serviço também é uma grande indicação para usuários que necessitam armazenar os dados de seus clientes. A expectativa do Google é que este novo serviço revolucione o mercado de armazenamento na nuvem.

Apesar das grandes expectativas, o Google terá uma disputa acirrada com a Amazon, haja vista a mesma também dispor de um serviço que possui o mesmo preço: US$ 0,01 por gigabyte por mês.

Esse serviço é o Glacier e seu principal ponto fraco é o fato de o mesmo levar algumas horas para recuperar as informações armazenadas na nuvem. Segundo assim, o Glacier é um serviço destinado aos arquivos que são raramente acessados pelos seus usuários.

Por Bruno Henrique

Foto: divulgação


Diz-se de computação em nuvens o processo de utilizar a “memória e capacidades de armazenamento e cálculo de computadores e servidores compartilhados e interligados por meio da internet, seguindo o princípio da computação em grade” (Wikipédia). O seu acesso aos arquivos é remoto, não se faz necessário ter seus arquivos gravados em seu computador, apenas sincronizados com o que você salva nos serviços de computação nas nuvens.

Uma das plataformas de computação nas nuvens mais utilizadas no momento são o Sky Drive e o Google Drive, por exemplo, porém existem alternativas diversas, cabendo ao usuário escolher qual usar.

No Google Drive, você terá uma gama de funções, não apenas para armazenar dados, mas também editar/criar e compartilhar documentos. Para quem é usuário do Gmail, na hora de enviar um e-mail, existe a opção de apontar links para os seus arquivos nas nuvens, sem a necessidade de anexá-los. Com espaço de 15 GB, é uma ótima pedida para armazenar seus dados nas nuvens. A sincronização dos arquivos pode ser feita através de vários dispositivos – como tablet, notebook ou até mesmo celular – facilitando o transporte dos dados para onde você for.

Seguindo os mesmos padrões do Google Drive, o Sky Drive é a plataforma de computação nas nuvens da Microsoft. Sua diferença para o Google Drive está na capacidade de armazenamento, 7 GB (contra 15 GB do Google Drive) e nas plataformas de edição de arquivos. Nas demais funcionalidades, cada um com suas peculiaridades.

Em suma, é seguro e prático empregar a computação nas nuvens. Os planos gratuitos (no caso do Google Drive) são suficientes para, pelo menos, sincronizar os dados mais importantes e/ou mais acessados/editados. É gratuito (há a opção de upgrade, caso precise de mais espaço).

Portanto, vale a pena, sim, empregar esse tipo de tecnologia a nosso favor.

Por Reginaldo Soares


Chegou ao Brasil o primeiro curso de OpenStack – software de código aberto desenvolvido para configurar e operar armazenamento em nuvem – organizado pela Dualtec Cloud Builders, companhia nacional com mais de 25 anos de experiência no setor.

Desenvolvido pela StackOps Technologies, parceira espanhola especializada na plataforma, o curso tem como objetivo ingressar desenvolvedores e administradores de sistemas no ramo da computação em nuvem, o qual vem crescendo no mercado.

O curso será realizado na cidade de São Paulo, no Espaço Fit, nos dias 23, 24 e 25 de maio. As aulas serão ministradas todas em inglês e abordarão todos os módulos de uma das mais novas versões de OpenStack, o Folsom.

São apenas 15 vagas, e podem se inscrever Administradores de Sistemas, Desenvolvedores, Devops e profissionais da área de Tecnologia da Informação com conhecimentos de interface de linha de comando (*nix CLI) e redes. O inglês também é requisito obrigatório e é recomendado algum domínio sobre virtualização.

Os participantes devem levar seus notebooks com os softwares Vagrant, Fabric e Virtualbox instalados.

O investimento é de R$ 2.300 por pessoa, mas os candidatos que se inscreverem até o dia 3 de maio terão um desconto de R$ 300.

Para se inscrever e obter mais algumas informações, acesse o link openstackfundations2013.eventbrite.com.

Por Davi Pizelli





CONTINUE NAVEGANDO: