Expectativas para o setor indicam que a queda para este ano está prevista para 8,7%, impulsionada pela crise econômica pela qual o Brasil está passando.

A crise financeira que o Brasil vem enfrentando está desaquecendo o comércio em diversas áreas. O mercado de informática também está sofrendo as consequências da desaceleração da economia, segundo o que foi apurado pela companhia de pesquisa IDC.

A companhia já havia feito uma estimativa, mas após revisar seus números confirmou que a queda na venda de computadores pessoais será ainda maior neste ano. A análise foi feita após a companhia avaliar o grande número de notebooks em estoque nas lojas e também avaliar o real impacto na valorização do dólar para o comércio de PCs.

Na última quarta-feira (dia 26), a empresa informou que a crise nesse setor não se estabilizará tão cedo e provavelmente se estenderá até o ano de 2017. A previsão da IDC é de que as vendas tenham uma queda de aproximadamente 8,7% neste ano. A previsão anterior apontava uma queda 2,5% menor, de 6,2%.

Ainda em sua declaração, a companhia afirmou que acredita que o segundo trimestre do ano tenha sido um período em que a indústria de informática tenha passado por uma transição. A maioria dos vendedores e clientes está se preparando para a chegada do novo sistema Windows 10, no segundo semestre o que pode ter desacelerado novas compras para o setor.

A possibilidade de atualização dos dispositivos antigos para o novo sistema operacional é um dos fatores que diminuem as vendas, assim como o aumento do número de smartphones e suas funcionalidades. Em um cenário de recessão econômica, é natural que o cliente se afaste do consumo desnecessário. E se sua máquina antiga terá acesso ao novo sistema operacional gratuitamente, as novas compras só serão motivadas por motivos mais graves, como obsolência completa do antigo computador do usuário, defeitos, ou mesmo o fim de seu funcionamento.

Ainda segundo a pesquisa, o número de vendas, que só se estabilizará em 2017, trará uma nova tendência: o aumento cada vez maior dos computadores portáveis (notebooks) e uma queda ainda maior nas vendas dos modelos desktop.

Por Patrícia Generoso

Computadores

Foto: Divulgação


O projeto visa deixar a comunidade carioca mais conectada nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio 2016

Uma novidade promete aquecer o coração dos cariocas ainda neste ano. A Cisco, uma empresa voltada à Internet das Coisas, será a responsável pelo projeto que promete implantar sete mil pontos de acesso wi-fi na cidade do Rio de Janeiro.

O objetivo desta inovação é tornar a comunidade carioca mais conectada para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio 2016. Umas das propostas do projeto é trazer soluções para a cidade, a fim de melhorar a gestão, além da eficiência em garantir serviços públicos de qualidade durante o evento.

Em recente entrevista ao site Techtudo, o diretor de novos projetos da Cisco, Rodrigo Uchôa, afirmou que a maior preocupação é a possibilidade de oferecer uma base de redes e segurança não só dentro das instalações esportivas, mas também fora.

A empresa pretende gerar ambientes seguros que possuam a tecnologia Cisco. Assim, as instalações receberão o venues, que poderão ser instaladas dentro das arenas e também nas áreas de acesso comum, como aeroportos e hospitais.

Já os equipamentos para a instalação dos sete mil pontos wi-fi devem chegar ainda em 2015. Segundo informações, no total, serão cerca de 12 mil pontos de rede, distribuídos em 100 mil portas de rede LAN, 150 equipamentos firewall e NGIPS e 500 servidores.

A Cisco, no ano passado, foi a responsável por fornecer os equipamentos necessários para a montagem de dois Data Centers, um no Rio de Janeiro e outro em São Paulo, que esse ano servirão de abrigo de dados, além de serviços de tecnologia para os Jogos Olímpicos do próximo ano.

Para Uchôa, os eventos esportivos de 2016, aliados com as novas tecnologias, terão a tarefa de tentar aproximar os atletas com a comunidade e o público, além, é claro, de deixar um legado tecnológico para a cidade, tornando-a mais humana e criando conexões duradouras.

A implantação dessa tecnologia para os jogos mobilizará cerca de oito mil profissionais.

Por Andréa Corneli Ortis

Foto: Riotur


Messenger busca mais interação e melhor expressão para os seus usuários

Aconteceu nos dias 25 e 26 de março, em São Francisco, na Califórnia, Estados Unidos,  a F8, que é uma conferência tradicional do Facebook, voltada à desenvolvedores e outros profissionais que criam para o Facebook ou que o utilizam como meio de trabalho. A novidade ficou por conta da 'promoção' do Facebook Messenger, que ganhou do chefe, Mark Zuckerberg, o status de 'plataforma'. 

Com esse acontecimento, o Facebook  Messenger pára à frente no WhatsApp em termos de recursos similares e de aplicativos que dão o tom de divertimento às conversas via aplicativo.

Sendo chamado de  Messenger Plataforma (tradução livre), ele chega com um objetivo bem definido: ajudar os desenvolvedores a criarem aplicativos que se integrem ao Messenger para dar mais opções de interação e melhor expressão aos os seus  mais de 600 milhões de usuários, para que eles  tenham mais formas de comunicar-se, através de GIFs, fotos, clipes de aúdio e outros. 

A boa notícia: o Facebook anunciou que aproximadamente 40 aplicativos já estão em funcionamento para o lançamento, entre eles, alguns já bem conhecidos, como o Talking Tom, Meme Generator, Bitmoji e muitos outros.

Devido à essa mudança, haverá a possibilidade de um contéudo do aplicativo ser compartilhado em mensagens particulares ou em grupo. Aplicativos compatíveis poderãos ser baixados pelo Messenger, na App Store, Google Play ou mesmo na Windows Store.

Negócios pelo messenger

Uma boa notícia nunca vem sozinha, sempre traz outra. O Messenger se tornou tão importante no Facebook que desencadeou uma outra novidade: o Messenger para Negócios, que é parecido com o Facebook para Negócios. Ele vem para transformar o aplicativo e tidas suas funcionalidades em uma nova ferramenta para as empresas. Através dele,

o usuário poderá ser avisado do status de uma compra que tenha feito pelo Messenger, uma vez que o vendedor (site de onde comprou) tenha o recurso instalado. O usuário poderá ainda, contatar a empresa via app, caso precise de informações sobre o seu produto. Uma ótima ideia, que vem a somar e a facilitar a aproximação das empresas com os seus clientes.

Por enquanto, há apenas duas empresas com o aplicativo funcionando: Everlane e Zulily, mas para todas as outras, ele deve começar a funcionar em breve.

Por Elia Macedo

Foto: divulgação


O aplicativo foi pensado para desenhistas profissionais

Os usuários do iPad agora podem contar com um poderoso aplicativo, capaz de transformar um simples tablet em uma poderosa ferramenta de desenho profissional. É o Astropad, um aplicativo exclusivo para iOS e Mac que, certamente, será muito bem-vindo para quem gosta de desenhar, inclusive os desenhistas profissionais.

E o melhor de tudo é que, com o Astropad, o usuário não precisará investir em um hardware adicional. Matt Ronge e Giovanni Donelli, responsáveis pelo desenvolvimento do aplicativo, são engenheiros e também funcionários da Apple. Graças a eles, agora o iPad pode se transformar em um trackpad, capaz de aceitar as canetas de vários outros fabricantes.

Transformar o iPad em um touch-tablet é um desejo antigo e agora, finalmente, estes usuários poderão contar com esta grande facilidade.

O Astropad não é nenhuma novidade neste sentido, pois já existem no mercado diversos aplicativos que prometem esta transformação do iPad, mas nenhum conseguiu tanto êxito como o Astropad! O aplicativo é tão eficiente que conseguiu deixar para trás até o AirPlay da própria Apple.

O Astropad é um aplicativo que foi desenvolvido para funcionar em sintonia com uma conexão Wi-Fi e o tempo de resposta oferecido entre a tela e a caneta é de 60fps. O aplicativo conta ainda com o acelerador GPU do Mac, assim, o computador é responsável pelo bom desempenho do trabalho, construindo um código de montagem ARM no iPad e este é o segredo para garantir maior durabilidade da bateria.

Outra vantagem do Astropad, é que o aplicativo oferece uma imagem com qualidade superior a imagens obtidas pela exportação do Adobe PhotoShop, mesmo que seja exportada em alta resolução.

O aplicativo Astropad tem sua versão gratuita que pode ser baixada gratuitamente no endereço: https://itunes.apple.com/app/id934510730

A versão para Mac custa US$ 49,99 e a versão educacional tem o valor de US$ 19,99 podendo ser baixada no site: http://astropad.com/buy – os desenvolvedores do Astropad oferecem 7 dias gratuitos para o usuário testar o aplicativo e, então, se decidir pela compra ou não.

Mas com a facilidade oferecida pelo Astropad, dificilmente alguém vai deixar de comprá-lo, principalmente depois de experimentar e comprovar sua eficácia.

Por Russel

Foto: divulgação


A loja online estará disponível em breve para os brasileiros

O Google, empresa conhecida há algum tempo atrás como a "Gigante de Buscas na Internet", tem investido pesado em novas áreas, e hoje, o título de "Gigante de Buscas" já não é o mais apropriado, já que a empresa se tornou grande em várias outras áreas, por exemplo, de smartphone e tablets.

O Google lançou o sistema operacional Android e vem atualizando de acordo com aos avanços da tecnologia e necessidades do mercado, com isto, tem atendido às grandes empresas fabricantes destes aparelhos, assim como próprio Google tem seus próprios smartphones no mercado.

A empresa também já começa a investir na área de tecnologia, realidade virtual, e não para por aí, está lançando agora sua loja online de eletrônicos e tem uma versão exclusiva para os brasileiros!

O "Google Store", como é chamada a loja virtual da empresa, acaba de ser lançada com um visual renovado. A loja foi totalmente repaginada e muito pouco, ou quase nada, restou da antiga "Play Store Hardware".

A empresa, que já faz sucesso absoluto com sua loja virtual para venda de aplicativos, agora quer dominar também um outro mercado, comercializando na "Google Store" grande variedade de produtos.

Mas a loja online de eletrônicos do Google para o Brasil está passando por algumas finalizações, por isto, os brasileiros terão que esperar um pouco mais. Mas você já pode ter uma ideia do que vem por aí, acessando o link da loja para os Estados Unidos, através do endereço: https://store.google.com/?gl=US.

Apesar do link ser para a loja americana, você poderá conferir todos os textos em português e assim poderá conferir os produtos comercializados, entre eles: smartphones, tablets, Chromebooks, Nest, Android Wear e muitos outros!
Mas, acessando por este link, você verá a seguinte mensagem, clicando em algum produto para adquiri-lo: "Este produto está indisponível em seu país".

E visitando o link direto da loja, https://store.google.com, você poderá ver o aviso de que, por enquanto, o Google Store não está disponível por aqui, mas a empresa já confirmou que isto é temporário e em breve estará oferecendo seus produtos também para os brasileiros.

Por Russel

Foto: divulgação


Segundo pesquisa, o país está em oitavo lugar entre os países mais afetados com conteúdo inadequado para crianças

Quando falamos sobre a internet, consequentemente temos que considerar que ela é uma “terra sem dono”. Já faz muito tempo que apenas os adultos tinham acesso a ela. Hoje em dia, sendo uma rede livre como é, qualquer pessoa pode ter acesso a qualquer tipo de conteúdo. O único impedimento é apenas um clique. Idade e temas pesquisados já não importam mais. Em um relatório feito recentemente pela empresa especializada em segurança digital Kaspersky, alguns dados apontam para um lado obscuro dessa liberdade toda.

De acordo com a empresa, mais de 1,5 milhão de usuários se depararam com conteúdo inadequado para crianças ao menos uma vez em 2014. A análise foi feita usando um software de controle parental da companhia.

O pior do relatório é que o Brasil figura nele entre os dez primeiros. Mais precisamente na oitava colocação entre os países mais afetados.

Ainda segundo as informações do levantamento do número apontado anteriormente, uma faixa de 68,5% “deram de cara” com conteúdos que são classificados como perigosos. Ou seja, isso inclui diversas categorias, como conteúdo adulto – pornografia, acesso anônimo, álcool e narcóticos, violência e armas dentre diversos outros.

De acordo com a lista da Kaspersky, os países que apresentaram um maior número de casos registrados nesses aspectos foram os seguintes: Rússia, ocupando a liderança e sendo seguida pela Índia, China, EUA, Alemanha, Argélia, o Brasil, e fechando os dez primeiros colocados, o Reino Unido e a França.

Mas voltando aqui para o Brasil, as maiores ameaças encontradas ficam nas categorias de “conteúdo adulto” e “chats”. Esta última, atingindo cerca de 75,93% os usuários. Vale ressaltar que, no caso do Brasil, os números registrados são superiores à média mundial.

Conforme destaca Fabio Assolini, analista de segurança da Kaspersky, atualmente as crianças têm acesso à internet cada vez mais cedo. E acrescente-se a isso o fato de ser móvel e, na maior parte dos casos, oferece uma forma de comunicação barata.

A principal recomendação dos especialistas na área não são novas, porém nem sempre os pais dão a devida atenção. A instalação de programas de controle parental em aparelhos como samartphones e tablets que são usados por crianças é uma dessas dicas. E o melhor é que não há desculpa, já que atualmente o mercado oferece diversas soluções baratas e até mesmo gratuitas.

Por Denisson Soares

Foto: divulgação


A novidade concorre diretamente com a Amazon, atual líder no segmento, e promete revolucionar o mercado

O Google é uma das maiores empresas do mundo e, como toda boa empresa, sempre está em busca de inovações e melhorias em seus serviços. E para aqueles que já estão acostumados com os serviços prestados pelo Google, saibam que a empresa anunciou nesta quarta-feira, 11 de março, o seu mais novo serviço de armazenamento. Trata-se de um serviço de armazenamento na nuvem que é bastante acessível, pois custa nada menos que US$ 0,01 por gigabyte a cada mês. Confira mais detalhes sobre a nova ferramenta na continuação desta matéria.

O novo serviço tem o nome de Google Cloud Storage Nearline. Vale ressaltar que este serviço promete ser bastante eficiente e tem a missão de agradar milhões e milhões de usuários em todo o mundo. Segundo os desenvolvedores do serviço, o mesmo é capaz de oferecer acessos aos dados dos usuários em apenas três segundos, em alguns casos menos que isso.

Um dos principais objetivos quanto ao lançamento deste serviço é competir diretamente com a líder do seguimento, a Amazon.

Para aqueles que ainda não conhecem o novo serviço do Google, saibam que o mesmo é extremamente indicado para o armazenamento de dados com grande duração, no entanto, pouco acessados pelos usuários. Dessa forma, você pode utilizar o Google Cloud Storage Nearline para armazenar fotos, vídeos ou documentos de empresas, por exemplo.

Além disso, o serviço também é uma grande indicação para usuários que necessitam armazenar os dados de seus clientes. A expectativa do Google é que este novo serviço revolucione o mercado de armazenamento na nuvem.

Apesar das grandes expectativas, o Google terá uma disputa acirrada com a Amazon, haja vista a mesma também dispor de um serviço que possui o mesmo preço: US$ 0,01 por gigabyte por mês.

Esse serviço é o Glacier e seu principal ponto fraco é o fato de o mesmo levar algumas horas para recuperar as informações armazenadas na nuvem. Segundo assim, o Glacier é um serviço destinado aos arquivos que são raramente acessados pelos seus usuários.

Por Bruno Henrique

Foto: divulgação


Foi divulgado o novo MacBook em evento para apresentar novidades do Apple Watch, recentemente, em Cupertino, no estado americano da Califórnia. Ele possui uma espessura de 13,1 mm, sendo 24% mais fino. O aparelho é o mais leve da Apple, com 0,9 kg.

A tela de retina possui 12 polegadas, com resolução de 2304×1440 pixels. Ele será recebido no mercado nos Estados Unidos em abril, presente em 3 cores, sendo prata, cinza espacial e dourado. Na versão nacional da loja online da companhia, o modelo de entrada novo Macbook possui processador Intel Core M Dual Core de 1,1 GHz, 256 GB de memória flash, gráficos Intel HD Graphics 5300 e 8 GB de memória RAM. O notebook tem o valor de R$ 8.500.

O modelo mais avançado possui processador Intel Core M Dual Core de 1,2 GHz, 512 GB de espaço, 8 GB de memória RAM e placa de vídeo Intel HD Graphics 5300 e tem o valor de R$ 10.500.

Os aparelhos não possuem previsão de recebimento no território brasileiro. Nos Estados Unidos, o novo MacBook de entrada tem o valor acima de US$ 1.300 e a versão mais avançada tem o preço de US$ 1.600. De acordo com a companhia, os aparelhos estarão presentes para compra a partir de 10/04.

A Apple também fez uma renovação na linha de MacBooks Air, implementando o processador Intel Broadwell, de 5ª geração. Os aparelhos já estão presentes para compra, tendo o valor acima de R$ 5.900 no modelo mais básico, que possui tela de 11 polegadas, 4 GB de memória interna, e alcançado o valor de R$ 7.700 no modelo mais avançado, que tem tela de 13 polegadas, 4 GB de memória RAM, 256 GB de espaço interno e processador i5 dual-core de 1,6 GHz.

O novo MacBook tem uma única porta USB-C, que tem a possibilidade de suporte para conexões USB, DisplayPort, de energia, HDMI e VGA.

Por Felipe Couto de Oliveira

Foto: divulgação


O notebook é muito prático, podemos levá-lo para qualquer lugar da casa ou do trabalho. Porém, tem um sério problema, justamente por ficar em vários lugares: o notebook suja muito. Além de limpar o notebook com maior frequência, é preciso saber limpá-lo, do contrário, você poderá causar danos irreparáveis.

O acúmulo de sujeira pode riscar o monitor, atrapalhar o teclado, bloquear as saídas de ar, então é melhor ficar sempre atento à limpeza do seu notebook.

Limpar um notebook é muito fácil, porém é preciso muita cautela. Tudo que você vai precisar é de cotonetes, um pincel com cerdas bem macias, um pano macio que não solte aqueles fiapinhos, água limpa e, se possível, ar comprimido.

Quem puder investir em um mini-aspirador, é bom, pois ajuda bastante na limpeza do notebook. Jamais utilize produtos abrasivos para limpar seu equipamento, nem panos duros que poderão riscar a tela!

Antes de começar a limpar o notebook, o primeiro passo é desligá-lo da tomada. Se possível, até remova a bateria. A parte externa do notebook deve ser limpa com um pano macio, levemente umedecido na água. Cuidado para não deixar a água escorrer! Faça movimentos leves, uniformes, sem pressionar. Utilize um outro pano macio e seco para remover o excesso de umidade.

Na parte de trás ou laterais do seu notebook estão as saídas de ar e elas devem ser muito bem limpas. Utilize cotonete e pincel para limpar estas partes. O cotonete só pode ser utilizado na parte externa, nem pense em penetrar estas aberturas com o cotonete, pois ele pode soltar fiapos lá dentro. Um mini-aspirador poderá ajudar nesta hora.

A limpeza da tela é o mais complicado, pois ela é muito sensível. Utilize um pano macio e seco. Jamais passe pano úmido na tela. Passe o pano seco e macio, na tela do seu notebook sem pressionar!

No caso do monitor apresentar sinais de dedo, você pode umedecer a ponta do pano e passar levemente no local, secando em seguida com o pano seco.

Lojas de informática vendem produtos específicos para limpeza da tela. Ao utilizar estes produtos, jamais passe-os diretamente na tela. Aplique no pano primeiro.

E, por fim, limpe o teclado utilizado um pano levemente umedecido e também o aspirador de pó. Pode-se utilizar também ar comprimido e o pincel para auxiliar nesta limpeza.

Por Russel

Foto: divulgação


Uma notícia que surpreendeu muitas pessoas foi quanto ao fato de a Apple ter sido condenada na última terça-feira, 24 de fevereiro, pela justiça americana a efetuar o pagamento de uma multa milionária: US$ 532,9 milhões. Vale ressaltar que esta multa é resultado de três patentes da empresa americana Smartflash terem sido violadas. A violação de patentes ocorreu durante a criação da loja on-line iTunes. Confira mais informações na continuação desta matéria.

Para quem ainda não a conhece, saiba que a Smartflash dispõe de suas atividades baseadas na valorização de uma carteira de patentes. A empresa já havia denunciado a Apple em 2013. Nesta ocasião, a Smartflash pediu um valor de US$ 852 milhões em multas referentes à violação de patentes. A quantia aqui citada foi calculada através de uma divisão proporcional das vendas do iTunes.

Um dos responsáveis por tal violação de patentes teria sido um dos próprios inventores que havia se reunido no ano de 2000 com um representante da empresa francesa Gemplus. No entanto, depois de um tempo a empresa mudou seu nome para Gemalto, com o objetivo de apresentar suas criações. Após isso, o inventor assumiu o cargo de executivo na Apple.

Entretanto, em seu argumento de defesa, a Apple declarou que as patentes não eram mais válidas, haja vista outras empresas terem registrado tecnologias similares. Portanto, segundo a Apple, tais patentes não possuíam preço superior a US$ 4,5 milhões. Apesar deste argumento, o tribunal julgou a Apple como culpada.

Em sua sentença final, o tribunal de Tyler, Texas, considerou que a Apple violou, de forma efetiva, as patentes. Além disso, ficou claro para o tribunal que a Apple tinha pleno conhecimento da causa. Dessa forma, a empresa foi condenada a pagar uma multa no valor de US$ 532,9 milhões.

Vale ressaltar que a Apple já havia sido condenada neste mesmo tribunal. Tal acontecimento foi em 2013, quando a empresa foi condenada a pagar US$ 368 milhões por ter violado patentes da VirnetX. Porém, a decisão foi anulada por um tribunal de apelações federal e o caso acabou sendo reenviado a outro tribunal visando um novo julgamento.

Por Bruno Henrique

Foto: divulgação


Após um pequeno deslize, o Google acabou confirmando que o novo Chromebook será lançado em breve. Quando a empresa lançou o primeiro modelo do Chromebook a ideia dava a impressão que seria uma inovação total, contudo, a empresa tropeçou nas suas próprias pernas, porque, embora que todas as peças colocadas no modelo fossem de ponta e primeira qualidade, o valor do produto não agradou aos consumidores, devido ao fato dele ser alto, cerca de US$ 1,2 mil por um computador que rodava um sistema operacional muito limitado.

Entretanto, a fim de recuperar o prestígio, a empresa realizou uma atualização nas tarefas que poderiam ser desempenhadas em um Chromebook. Foi daí que surgiu um novo conceito da linha de computadores, que foi o “Superchromebook”, o que deixou a companhia mais confiante, e agora a novidade é a fabricação do modelo Pixel 2.

A divulgação do início da fabricação desse aparelho ocorreu através do portal eletrôncio www.9to5Google.com, que publicou prematuramente o vídeo que estava sendo feito para a divulgação do modelo, porém, como a ideia não era divulgá-lo, a empresa teve que deixar o vídeo no modo privado correr contra o tempo para que fosse retirado do site.

Mas, de uma maneira ou de outra, esta escorregada da companhia serviu para alguma coisa que, diga-se de passagem, foi algo positivo, pois, após a divulgação desta notícia na última terça-feira, dia 24 de fevereiro, a web ficou toda em polvorosa, agora a curiosidade que pairou no ar à respeito do assunto e que muitos desejam descobrir a qualquer preço como será a configuração e os detalhes estéticos do novo Pixel 2 .

Vale ressaltar que, anteriormente, já haviam notícias da imprensa especializada de que o Google realmente já estava trabalhando na criação de um novo Chromebook com tecnologia de ponta.

Nada ainda é oficial, todavia, já há boatos rolando por aí de que o novo Pixel 2 será um computador no modelo 2 em 1, ou seja, será um notebook e tablet no mesmo produto, o qual rodará o Chrome OS, bem como o Android, respectivamente. 

Por Adriano Oliveira

Foto: divulgação


Uma iniciativa desenvolvida por uma startup portuguesa, que poderia ser adotada no Brasil, promete oferecer mais opções de conexão aos usuários. A empresa quer tornar os carros em antenas wi-fi, usando a estrutura de conexão dos veículos com acesso à internet.

A ideia é da startup Veniam, com sede na cidade do Porto, Portugal. Segundo ela, todos os carros conectados ao sistema serão equipados com um tipo de hotspot wi-fi, carregado pelo próprio veículo, assim, qualquer pessoa pode se conectar à rede.

A intenção é que o projeto seja financiado por prefeituras e governos que tenham interesse em criar redes de internet gratuitas para seus habitantes. Trata-se de uma iniciativa inovadora (e ambiciosa) da companhia, que quer conectar todos os automóveis do mundo em seu sistema.

Será uma tarefa difícil, uma vez que existem mais de um bilhão de carros no planeta e a previsão é que esse número aumente.

Pouco mais de 660 veículos particulares já foram cadastrados no serviço oferecido pela Startup, contudo, todos em Portugal. A empresa já atua no país operando um serviço de internet com mais de 95 mil usuários. Algumas prefeituras, como a da cidade de Porto, já anunciaram que adotarão o sistema, inicialmente na frota de ônibus, táxis e caminhões da prefeitura.

João Barros, presidente da Veniam, está feliz com os possíveis resultados e afirmou que este é o primeiro passo da "internet das coisas que se movem":

Ele ainda acredita que essa é a forma mais adequada de levar internet a locais em que a infraestrutura não permite as conexões convencionais. Sem contar que o serviço pode funcionar nos locais onde não há energia elétrica, pois depende somente da baterias dos veículos.

Por Ana Rosa Martins Rocha

Foto: divulgação


É verdade que quando uma empresa começa a crescer incomoda suas concorrentes. Atualmente, esse é o caso da Xiaomi. A empresa tem crescido muito, principalmente no mercado da China.

No país asiático é a líder em comercialização de smartphones, e este é um dos principais mercados do mundo para o setor de aparelhos móveis. Além dos seus concorrentes diretos, outras companhias estão começando a ficar preocupadas com a rápida expansão dos negócios da empresa.

Em cinco anos de vida, a marca chinesa tem conquistado muitos desafios, um deles é incomodar a Apple. Se a marca da maçã está se sentindo incomodada com o desenvolvimento dos negócios da Xiaomi é porque, com certeza, esta fabricante chinesa oferece ameças para a manutenção no topo da companhia fundada por Steve Jobs.

Mesmo que a Apple seja a companhia que mais esteja preocupada, a Android e a Google também estão abrindo os olhos perante o crescimento da chinesa. Estas empresas estão preocupadas com a forma que a Xiaomi está usando o sistema operacional Android nos seus dispositivos.

A chinesa usa a versão que não é certificada, sendo assim, os aparelhos da marca não possuem as ferramentas de busca mais conhecidos. Este problema não é tão grave, porque na China muitos dos aplicativos do Google estão proibidos. O "problema" maior – aos olhos das poderosas – é que ela pretende entrar em mercados de novos países com esses dispositivos. 

Se a Xiomi entrar em mercados de países que não bloqueiam o uso dos apps da Google, a gigante das buscas poderá perder usuários. 

O impasse continua, pois não se sabe qual será o passo que a Google e a Android irão dar, nem como a Xiaomi lidará com o assunto, mas uma coisa é bem possível: que a Google e a marca do sistema operacional comecem a exigir a utilização do Android original para que os aplicativos possam ser baixados e utilizados. Esta situação demorará alguns meses para ser resolvida.

Por Melina Menezes

Foto: divulgação


A rede social mais comentada da atualidade, o Facebook, criou uma nova ferramenta. Ela será implementada na rede com o intuito de ajudar muitas pessoas que estão passando por situações complicadas. O intuito da ferramenta é colaborar na luta mundial contra o suicídio. 

A sua função é bastante discreta. Para que ela funcione, é necessário que as pessoas reportem para o Facebook possíveis mensagens suicidas publicadas nos perfis dos amigos.

A rede social começará a distribuir o novo recurso dentro de poucos meses para o público norte- americano. De acordo com o Facebook, a ferramenta deverá ser aprimorada para ser apresentada para outros paises.

A ferramenta parece "mais um" adereço da rede, no entanto, ela possui uma conotação bastante importante e pode ajudar a salvar vidas no mundo inteiro.

O funcionamento é bastante simples: se uma pessoa perceber no seu feed de notícias que um amigo publicou uma mensagem de desespero ou que seja traduzida num possível suicídio, ela poderá reportar a publicação para o Facebook.

Na próxima vez que o amigo fizer login, ele receberá uma mensagem gerada de forma automática oferecendo auxilio. A ajuda prestada pelo Facebook será dada questionando se a pessoa quer falar com alguém ou se precisa de dicas de apoio.

O Facebook já oferece o serviço de apoio ao suicida, no entanto, ela é apresentada de forma mais trabalhosa. Para reportar o post suicida é necessário entrar em contato com a rede, encaminhando o link do perfil ou até mesmo o print da tela contendo a mensagem suspeita. Agora, com o novo mecanismo, ficará muito mais rápido e fácil reportar à equipe.

Outra novidade é que os profissionais responsáveis por esta área estarão disponíveis 24 horas dos sete dias da semana.

Se estiver precisando de ajuda para suportar uma situação difícil, entre em contato pelo 141 com o Centro de Valorização da Vida (CVV).

Por Melina Menezes

Foto: divulgação


Um dos maiores desafios do Facebook, praticamente desde sua fundação, é acertar no algoritmo do feed de notícias. Tanto para perfis pessoais, como para administradores de página, o resultado das notícias que aparecem para os outros usuários não é cem por cento satisfatório.

Para isso, o Facebook criou uma versão especial da rede social, com alguns usuários reais convidados, formando um grupo de 30 pessoas, para que conteúdos significativos para elas apareçam em sua timeline.

Apesar do conteúdo aparecer de forma aleatória e sem classificação específica de ordem, a intenção é que o usuário observe apenas uma história/feed por vez. A meta é que esses avaliadores olhem 100 postagens por dia, sendo pagos por unidades.

Ao final de cada dia, esses mesmos convidados devem responder a oito perguntas sobre a experiência de uso de cada um e, ao término, é necessário que escrevam algo falando o que sentiram ao lerem ou visualizarem as histórias específicas de cada feed.

A pesquisa já trouxe alguns resultados. Entre eles, já foi observado que os usuários da rede social dão mais importância para conteúdos publicados por familiares ou amigos próximos, incluindo mensagens e imagens.

Outra descoberta, que pode parecer óbvia, mas não havia sido notada pelos diretores do Facebook, foi que não é sempre que uma pessoa clica em ‘Curtir’ signifique que ela tenha real interesse no que foi publicado, e sim, apenas uma maneira de tentar se aproximar da pessoa que postou o conteúdo que foi curtido.

Agora, uma constatação das pesquisas, que já havia sido notada por muitos administradores de página, e foi realmente confirmada, é que as pessoas não se interessam tanto pelos anúncios pagos pelas empresas, que muitas vezes incomodam os usuários.

Apesar de ser uma das formas do Facebook manter sua renda, é algo que não agrada aos usuários da rede social, e não estão dando retorno para as empresas, uma vez que a quantidade de aparições do anúncio não é grande, o valor cobrado é considerado alto e as pessoas raramente clicam nos anúncios.

Por Felipe Villares

Foto: divulgação


As redes sociais são, de forma incontestável, a grande febre desse século. E, se elas não se atualizarem, perderão espaço para a concorrência. Depois de inúmeras sugestões, o Twitter finalmente incrementou novos recursos em sua plataforma.

A novidade fica por conta de duas ferramentas: a função de captura de vídeo (e upload) pelo celular, e a função de mensagens diretas em grupo. Apesar do anúncio feito pela empresa na terça-feira, 27 de janeiro, os recursos ainda não estão disponíveis para todos os usuários.

No recurso de captura de vídeo por celular, a ferramenta oferece a possibilidade de inserir vídeos em uma conversa sem a necessidade de sair do aplicativo, podendo ser realizada na mesma hora em que as imagens são capturadas.

Diferente de outra rede social, o Instagram, no caso do Twitter é possível fazer upload de vídeos com até 30 segundos de duração, que também inclui uma opção de edição linear dos vídeos. Além disso, para visualizar o vídeo antes do upload não é necessário abri-lo, pois ele pode ser pré-visualizado em miniatura, e para reproduzir é necessário apenas um toque pelo aplicativo.

O outro novo recurso disponível também se tornou muito interessante: agora é possível assistir ou ler a tuíter determinados, porém conversar de forma particular sobre cada um deles.

Também será possível transformar uma conversa pública em conversa privada com um grupo menor, selecionando as pessoas que você deseja que façam parte dessa conversa restrita.

Com essa função de grupos, os usuários terão uma nova maneira de interação, pois o novo recurso abre a possibilidade de um usuário iniciar uma conversa com qualquer um de seus seguidores, mesmo que ele não o siga.

Quem for adicionado a uma conversa privada através da nova ferramenta de mensagens privadas em grupo, deverá receber uma notificação em sua conta, para saber que está participando de um novo bate-papo.

Apesar de simples, essas duas novas ferramentas farão muita diferença para os usuários do Twitter, que gostariam de interagir mais com seus seguidores.

Por Felipe Villares

Foto: divulgação


Os notebooks da Samsung presentes no Brasil disponibilizam modelos com preços menores e até com especificações mais qualificadas. Entre as opções, a série ATIV Book é a mais barata da empresa, com alternativas distintas de processador, tamanho de tela e performance.

1) ATIV Book 2.2 com Intel Celeron (modelo: 270E4E-KD6)

Para as pessoas que contestam menos, o ATIV Book 2.2 possui o processador Intel Celeron de 1,5 GHz. Ele não é muito qualificado, entretanto, permite a execução de todas as funcionalidades mais comuns, como navegação na internet, acesso a redes sociais, armazenar fotos e vídeos.

O modelo disponibiliza uma tela de 14 polegadas antirreflexiva com resolução de 1366 x 768 pixels e já possui o sistema operacional Windows 8.1 instalado.

Foto: divulgação

2) ATIV Book 2.4 com Core i3 (modelo: NP270E4E-KDA)

O modelo possui uma qualificação maior, através do processador Core i3 de 2,4 GHz, tendo também 4 GB de memória RAM, 500 GB de armazenamento interno e a placa gráfica integrada Intel HD 4000, em conjunto com a tela de 14 polegadas.

3) Notebook Samsung ATIV Book 2.2 com AMD Dual Core (modelo: 275E4E-KD1)

O modelo proporciona um desempenho mais comum e fornece uma tela de 14 polegadas LED HD, com resolução de 1366 x 768 pixels. Ele possui o processador MD dual-core de 1,48 GHz e 2 GB de memória RAM.

4) Notebook Samsung ATIV Book 2.4 Intel Core i3 (modelo: NP270E5G-KDW)

O modelo proporciona uma performance mais qualificada, com o processador Intel Core i3 de 2,4 GHz, 2 GB de memória RAM, sistema operacional Windows 8.1 e armazenamento interno de 500 GB. Ele é direcionado para funcionalidades mais completas.

5) Notebook Samsung ATIV Book 2.6 com Core i5 (modelo: NP270E5G-KER)

O ATIV Book 2.6 é recomendado para pessoas que optam por um notebook mais qualificado e com bom preço. Ele possui o processador Core i5 de 2,6 GHz. Embora tenha especificações melhores, seu valor é a partir de R$ 1.399. 

Por Felipe Couto de Oliveira


Em breve você passará a ser mais vigiado pelo Facebook. Isto porque, até o final deste mês, a mais popular rede social do mundo fará alterações nos termos da política de privacidade do site.

Após estas mudanças, além das 70 informações já coletadas em seu perfil, como data e local de nascimento, preferências políticas e religiosas, suas mensagens enviadas e recebidas, números de telefone e muitas outras, agora a empresa irá controlar os anúncios publicitários que aparecem na sua página.

A proposta destas alterações é de contribuir para uma melhora na forma com que cada pessoa navega pelo site e permitir que apenas os assuntos mais relevantes para cada usuário sejam exibidos em sua página.

Desta forma, caso apareça um anúncio em seu perfil que não seja algo do seu interesse, você mesmo poderá proibir a exibição do mesmo, apenas clicando no “x” que aparece na parte superior da imagem publicitária quando se passa o mouse em cima dela.

A mesma ação ainda poderá ser feita quando surgirem sugestões de pessoas supostamente conhecidas (amigos de amigos, pessoas da mesma cidade ou região) e também para sugestões de determinados grupos em sua página.

Outro ponto importante sobre as novas políticas de privacidade, é que elas tornarão a procura por produtos e serviços mais personalizada, graças à utilização de recursos que descobrem sua localização e, a partir disso, enviam para seu perfil informações publicitárias de parceiros que se encontram mais próximos de você.

Toda vez que um determinado anúncio aparece em sua página, ele é exibido porque o Facebook já analisou os dados coletados em suas visitas anteriores na rede, os cookies e arquivos temporários do seu computador, tablets ou smartphone e repassou estas mesmas informações aos seus clientes que comercializam produtos relacionados com suas atividades e  buscas.

A rede social de Mark Zuckerberg assegura que somente divulga estas informações aos seus clientes depois de se certificar que não serão enviados nomes e informações pessoais que possam servir para identificação dos usuários.

A empresa afirma ainda que nenhum dado é enviado individualmente e que eles somente são disponibilizados aos seus parceiros comerciais, após serem combinados com um grupo de outros usuários que possuem as mesmas preferências e hábitos na rede.

E, para esclarecer de uma forma simples e objetiva estes novos termos, o Facebook criou uma página exclusiva que ensina aos usuários algumas formas de como proteger suas informações na rede.

Caso você ainda não tenha acessado a página e tenha dúvidas de como alterar as configurações de privacidade do seu perfil, clique aqui e aprenda o passo a passo de como ativar e desativar alguns destes recursos de segurança.

Por André F.C.

Foto: divulgação


Um dos acontecimentos mais marcantes na internet foi a retirada do site The Pirate Bay, o maior site de compartilhamento de arquivos de todos os tempos. E, até hoje, o site continua sem poder ser acessado, para tristeza de milhões de internautas de todo o mundo que, diariamente, acessavam o The Pirate Bay.

Muitos outros sites surgiram, alguns até afirmaram ser o novo Pirate Bay. Mas o fato é que, até hoje, o verdadeiro The Pirate Bay continua inacessível.

Acontece que o domínio thepiratebay.se, que também afirmou ser o verdadeiro substituto do The Pirate Bay, incluiu em sua página um contador, em contagem regressiva, afirmando que dia 1º de fevereiro será a grande volta do The Pirate Bay!

A polícia sueca, que foi a responsável pela derrubada do maior site pirata de todos os tempos, conseguiu tirar do ar no dia 9 de dezembro de 2014 e muitos apostaram que o site ressurgiria nos dias seguintes, o que não aconteceu.

Acontece que, dentro do próprio site, tinha gente insatisfeita com o desempenho do mesmo, considerando que o site estava com um design ultrapassado e não trazia mais nenhuma novidade.

Peter Sunde, um dos fundadores do The Pirate Bay e ex-integrante da equipe, postou em seu blog pessoal que os anúncios pornográficos foram o principal erro do site. 

Claro que a internet traz muitas outras alternativas que já veem sendo acessadas pelos internautas que ficaram "órfãos", mas não há como negar que milhões de pessoas gostariam de ver o Pirate Bay ressurgindo e é isto que poderá acontecer no dia 1º de fevereiro, porém, não há nenhuma garantia e a polícia sueca já está investigando esta possibilidade.

O site, que promete estar anunciando a verdadeira volta, traz em sua página: “WeAreTPB” – que traduzindo diretamente seria: “Nós somos o The Pirate Bay”.

E, para provar que é o verdadeiro The Pirate Bay, a página traz no rodapé uma "Chave de BitTorrent Sync", que permite acesso a vários torrents de filmes e até mesmo ao filme "A Entrevista", que tinha sido barrado.

Agora, milhões de pessoas acompanham a contagem regressiva para ver se dia 1º de fevereiro, realmente, o The Pirate Bay voltará e ainda mais poderoso!

Por Russel

Foto: divulgação


Os usuários de diferentes tipos de plataformas já devem ter sofrido com a quantidade de periféricos de entrada, todos diferentes uns dos outros. Por exemplo, computadores e smartphones possuem teclados bem distintos (físico e touch screen), e a adaptação de um para o outro costuma levar um tempo.

A vantagem dos teclados touch screen é que eles são versáteis e podem servir para diversos fins, além de podermos configurar comandos, aplicar temas e instalar recursos. A desvantagem é a ausência de uma resposta tátil aos comandos, mas é bem provável que essa necessidade que às vezes sentimos seja devido ao costume com teclados físicos.

Se assim for, em futuras gerações, as pessoas sentirão cada vez menos falta disso, acostumando-se a telas sensíveis ao toque.

Para avançar rumo a essa realidade, vamos imaginar: e se essa tecnologia fosse aplicada aos teclados de computador? Pois bem, não é mais preciso usar a imaginação para isso, pois é essa a ideia que o grupo 101touch pretende tornar realidade, com seu projeto no Kickstarter. Eles estão arrecadando fundos para lançar um teclado para computadores que seja totalmente touch screen.

O produto tem o formato de um teclado comum, mas é espécie de tela na qual são exibidos as teclas. Mas as vantagens é que poderemos personalizar, exibir caracteres especiais, e configurar para interagir como controlador para diversas finalidades, desde softwares de edição de vídeos a jogos.

Tudo isso porque nele há uma memória interna de 16 GB, e pode-se instalar temas e aplicativos. Imagine configurar seu teclado para as funções que você desejar, sem estar limitado às teclas físicas dos teclados tradicionais.

Se a plataforma for aberta a outros desenvolvedores para criar seus apps, as possibilidades podem ser infinitas. Quem sabe, com algumas adaptações no formato, o produto também possa substituir o mouse?

O dispositivo tem 18,3 polegadas, e o projeto precisa arrecadar 180 mil libras esterlinas até a metade de Janeiro.

Por Daniel Cavalcante

Foto: divulgação


A Dell iniciou as vendas no território brasileiro do tablet Venue 11 Pro Série 7000. Ele possui 10,8 polegadas, podendo também ser utilizado como um ultrabook ao adicionar um teclado móvel.

Através do Windows 8.1, uma memória RAM de 4 GB e o limite de 128 GB de SSD, ele é recebido como uma das opções pioneiras nas lojas que já possuem o recente processador Core m, que faz parte da quinta geração da Intel.

O modelo Venue Séria 7000 permite a utilização por até 10 horas sem ser conectado na comada, ou por 20 horas com a adição de um teclado externo, que possui uma bateria complementar de 28 Watt-hora.

Estas características são possíveis devido o novo chip, que tem grande potencial e direcionamento para tablet, devido não necessitar de resfriamento através de cooler, além de ser encontrado com placa de vídeo HD 5300, pertencente também à Intel.

O aparelho possui 10,75 mm de altura e 733,40 g de peso, ao considerar a configuração com SSD de 64 GB na ausência do teclado. Ele possibilita um dispositivo compacto para um ultrabook, embora não seja tão móvel para um tablet. Citando o iPad Air 2, ele possui 6,1 mm de espessura com um peso de apenas 440 g.

O dispositivo possui duas câmeras, sendo uma na parte de trás com 8 megapixels e outra na parte da frente com 2 megapixels. O novo tablet tem Wi-Fi, GPS, Bluetooth, USB 3.0, microfone, mini HDMI, além de suporte a Miracast para streaming de clipes e apresentações em monitores que possuem compatibilidade.

O aparelho está à venda na loja oficial da Dell por valor acima de R$ 3.200 no modelo com 64 GB, podendo ser vendido a R$ 3.600 no modelo com o SSD de 128 GB e Windows Pro. O maior modelo é vendido a R$ 4.100, tendo o teclado acoplado como parte do pacote.

Por Felipe Couto de Oliveira

Foto: divulgação


O Google+ talvez não tenha êxito em popularidade, entretanto, ele possui boas considerações no fator de recursos. A Google desenvolve de forma intensa buscando acrescentar novas funcionalidades que sejam de bom uso aos usuários, fator que é perceptível inclusive para as pessoas que vão utilizam o site todos os dias.

Isto é comprovado através da recente demanda de funções automáticas para usuários que têm frequência na captura de diversos vídeos. De acordo com a informação de Tim St. Clair, uma das pessoas que trabalham na rede social, a empresa desenvolveu, na última semana, uma sequência de detalhes novos para que os vídeos fiquem mais atrativos.

No momento atual, o usuário poderá otimizar a qualidade visual e sonora dos seus vídeos somente com um clique. O Google+ considera as cores, estabilidade, luminosidade e, inclusive, em pouco tempo também a comunicação na faixa de áudio. O procedimento é bem comum:

1) É necessário somente a utilização do Auto Backup no celular para possibilitar o armazenamento dos vídeos na nuvem;

2) O Google+ irá considerar de forma automática a imagem e áudio do vídeo;

3) O usuário é avisado no momento que o site observa que existem melhorias a serem feitas;

4) Uma demonstração é feita, de forma que usuário tenha a possiblidade de optar se deseja acrescentar as alterações.

É necessário considerar também que as melhorias do Google+ podem ser utilizados também em vídeos que o usuário possua no computador. É necessário apenas a inclusão de um vídeo dentro do Google+ e permitir que a rede social execute as funções.

O Google+ havia divulgado anteriormente também a criação para permitir que o usuário selecione de forma mais diversificada as identidades de gênero. A companhia prevê permitir um número ilimitável de chances para que o usuário escolha a forma como prefere ser visualizado pelo mundo. Existe também a possibilidade de limitar as pessoas que visualizam o gênero.

Por Felipe Couto de Oliveira

Foto: divulgação


De acordo com uma pesquisa feita pela Escola de Medicina de Harvard, nos Estados Unidos, os usuários que leem livros ou artigos antes de dormir podem atrapalhar o sono e ter efeitos negativos sobre a saúde. 

Alguns pesquisadores da Universidade de Harvard compararam a diferença entre realizar uma leitura de livros de papel e outra em leitores digitais antes de dormir. Eles descobriram que as pessoas que possuem o hábito de ler livros digitais, consequentemente levam mais tempo para dormir e não tinham um sono de qualidade. E, por essa razão, se sentiam bem mais cansados ao acordarem na manhã seguinte.

Mas por que isso acontece? Segundo os pesquisadores, o motivo está na luz  azul (faixa de onda) emitida pelos aparelhos digitais (e-readers), que podem prejudicar o relógio biológico. A exposição excessiva à luz azul à noite desacelera ou impede a produção de melatonina, hormônio que regula o sono.

Esta pesquisa foi realizada com 12 pessoas que ficaram dentro de um laboratório na universidade por duas semanas. Eles passavam cinco dias lendo em um iPad e cinco dias lendo em livros de papel.

Logo após passar os dez dias, foram realizados exames de sangue que confirmaram que a produção de melatonina era menor quando as pessoas liam no tablet. Essas pessoas tinham um sono leve e se sentiam mais cansadas que as outras.

De acordo com o coordenador da pesquisa, Charles Czeisler, dormir mal aumenta o risco de doenças cardiovasculares, doenças metabólicas, como a obesidade, diabetes e o câncer. Por esse motivo, os resultados obtidos nesta pesquisa preocupam os médicos.

Czeisler comenta que há uma preocupação especial com os jovens que já possuem deficiência do sono e ficam ligados em seus aparelhos eletrônicos de madrugada. 

Segundo a pesquisadora Victoria Revell, que realiza pesquisas sobre o impacto da luz sobre o corpo na Universidade de Surrey, no Reino Unido, recomenda aos adolescentes que reduzam o uso excessivo dos dispositivos eletrônicos que emitem luz à noite, para evitar problemas de saúde futuramente.

Por Raquel Alice Moreira

Foto: Thinkstock





CONTINUE NAVEGANDO: