Google, Microsoft e Mozilla pretendem acelerar a internet



  

Parceria entre as empresas criou o projeto WebAssembly, que visa melhorar os métodos já existentes que são responsáveis pelo carregamento do código em JavaScript.

O Google, a Microsoft e também o Mozilla estão com um projeto para acelerar a internet, o WebAssembly. As três empresas anunciaram quase que simultaneamente o projeto open source, ou seja, um projeto aberto que estará sendo realizado em conjunto por estas 3 gigantes da internet.

O WebAssembly, ou simplesmente "Wasm", é um projeto que propõe a criação de um novo formato binário que ficará responsável pela compilação de todas as aplicações da internet. A grande vantagem deste novo projeto é que ele permitiria que os programadores do mundo todo pudessem criar programas nas mais diversas linguagens de programação, pois atualmente só é possível desenvolver nas linguagens C e C++ para o engine "JavaScript" presente nos navegadores.

O maior objetivo do WebAssembly é conseguir melhorar os métodos já existentes que são responsáveis pelo carregamento do código em JavaScript, como o asm.js que é utilizado pelo browser Mozilla, um dos mais utilizados por internautas do mundo todo.

A diferença é que o WebAssembly, ou "Wasm" vai trabalhar de forma independente, ou seja, os navegadores não vão mais ter que lidar diretamente com o código, como é atualmente, pois esta é a forma que eles entendem a linguagem que é praticamente feita em texto. Esta linguagem em texto foi desenvolvida para os humanos, o que dificulta e atrasa o trabalho dos navegadores.





O projeto pretende utilizar o código fonte da aplicação para desenvolver um novo bytecode que nada mais é que uma instrução que é dada à "máquina virtual", porém, seria interpretado de forma muito mais rápida.
Já em testes, o Wasm chegou a ser 20 vezes mais rápido que o atual asm.js. Agora as empresas envolvidas no projeto querem padronizar o WebAssembly, mas sem exterminar com o JavaScript, alegando que esta nova plataforma chega para complementar e não para substituir a já existente.

Atualmente o WebAssembly precisa de um script que faz sua conversão para o asm.js, mas claro, neste caso há perda de desempenho porém isto seria temporário, até que os navegadores viessem a dar suporte a este novo padrão.

Por Russel

Internet



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *