Pesquisadores testam nova rede 5G



  

Pesquisadores do Centro de Inovação 5G da Universidade de Surrey, no Reino Unido, puderam transferir dados através da velocidade de 1 Terabit por segundo (Tbps), sendo milhares de vezes mais velozes em relação às conexões recentes. É aguardado que a tecnologia seja finalizada para aparições públicas em 2018. Com esta velocidade, poderá ser possível baixar dados cem vezes mais rápido em relação aos recentes filmes com aproximadamente três segundos.

A taxa de conexão alcançada é 65 mil vezes mais veloz em relação à média de arquivos baixados em redes 4G. O experimento também ultrapassou os resultados já alcançados em redes móveis até o momento atual. O melhor resultado era da Samsung, que havia alcançado 7,5 Gigabits por segundo (Gbps), o que equivale a menos de 1% do alcançado pelo grupo de Surrey. Foi produzido mais de dez tecnologias novas, e em um dos exemplos possibilita superar 1 Tbps em conexões sem fio. Ela se trata da possibilidade idêntica de fibra óptica.

O grupo de pesquisa fez os experimentos com dispositivos presentes a aproximadamente cem metros de distância. Entretanto, ainda não é garantido que existirá a possibilidade de adotar esta velocidade no mundo real. A equipe tem o objetivo de fazer mais experimentos no campus da universidade antes de postar as descobertas. Ela deseja ser a pioneira do mundo a apresentar a velocidade.





O órgão regulador do mercado de telecomunicações do Reino Unido, o Ofcom, está incentivando para possibilitar que as redes 5G sejam recebidas no mercado, solicitando auxílio à indústria para isso. De acordo com o órgão, esta forma de comunicação iria gerar vários serviços através de dispositivos móveis, onde pode-se citar projeções holográficas e transações do mercado financeiro. O Ofcom também informou aguardar que as redes móveis 5G tenham a possibilidade de funcionar a velocidades entre 10 e 50 Gbps, em relação à média de 15 Megabits por segundo (Mbps) dos downloads em 4G.

Por Felipe Couto de Oliveira

Rede 5G



Compartilhar:

Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *